YouTube

Artigos Recentes

Técnicas de aumento peniano: fato ou ilusão?


            O tamanho do pênis é algo que atormenta a maioria absoluta dos homens em todo o planeta. É cultural a exaltação de um pênis grande na nossa atual sociedade, algo, supostamente, ligado à masculinidade e poder do homem. Não é nem preciso dissertar sobre as várias pesquisas relacionadas à psicologia envolvida na questão. Os homens insistem em dizer, para si mesmos e para outros, que o tamanho importa, mesmo a maioria das mulheres dizendo que isso não é o determinante para as sensações de prazer durante o ato sexual, especialmente quando consideramos a fisiologia diferenciada do sexo feminino (psicológico e corporal). Aproveitando da insegurança masculina, toneladas de produtos entram no mercado prometendo um aumento peniano dos sonhos. Mas será que algum deles realmente funciona?



         O pênis humano é um órgão reprodutor (liberação de esperma) e excretor (liberação de urina) formado por uma glande (coberta  por uma pele chamada prepúcio - (1)), onde encontram-se as terminações nervosas relacionadas ao prazer sexual; uma uretra, por onde se passa a urina ou o esperma, mas nunca os dois juntos; um corpo esponjoso envolvendo a uretra, para protegê-la; e dois corpos cavernosos que se enchem de sangue para permitir a ereção. Ou seja, o órgão sexual masculino possui uma estrutura única no corpo (o que eu disse agora ficará mais claro em um ponto mais à frente). A largura do pênis começa a crescer a partir dos cerca de 11 anos de idade e o comprimento a partir da puberdade, devido a uma combinação principal entre o hormônio testosterona e o GH (hormônio do crescimento). O crescimento continua até os 18 anos, em média, e a ação dos hormônios citada anteriormente cessa depois dessa idade.

          Em pesquisas científicas, das quais todos os homens devem estar cansados de procurar (Risos), o tamanho médio do pênis encontrado no mundo é algo em torno de 13,2 cm de comprimento e 12,3 de circunferência quando ereto. Existem médias relativas ao tamanho do pênis flácido, mas isso não diz muita coisa porque o que importa é ele ereto, não é mesmo? Muitos pênis podem atingir comprimentos e circunferências maiores quando eretos do que outros pênis maiores quando flácidos. Não existe uma regra clara nesse quesito. Bem, como a maioria dos homens possui problemas em lidar com o tamanho do seu órgão sexual, muitos procuram, desesperadamente, métodos para aumentá-lo. Por causa da cultura popular satirizada e generalização das produções pornográficas (onde o pênis precisa ser grande para facilitar diversas posições sexuais e enquadramento da câmera), mesmo um pênis de tamanho normal pode parecer diminuto para o homem. É o mesmo que ocorre com muitas mulheres que buscam  as cirurgias para aumentar o tamanho dos seios, em uma suposta jornada de busca por uma maior identidade feminina e maior atração sexual.


            Sem nos importarmos se o tamanho realmente influencia em algo, ou qualquer outra coisa do tipo, vamos logo ao que interessa: existem métodos eficientes para aumentar o pênis? É só acessarmos qualquer conteúdo erótico na internet para uma poluição visual inacreditável de anúncios de técnicas de aumento peniano nos martelar violentamente nos olhos. Se digitarmos ´aumento peniano´ no Google, milhares de sites e blogs aparecerão como resultado de busca, com quase todos prometendo verdadeiros milagres. São pílulas, exercícios manuais, bombas de vácuo e tudo o que for possível imaginar. Bem, vamos analisar os principais métodos alegados:

              Misturas que nem o diabo tomaria são vendidas livremente pela internet e em alguns mercados obscuros. São receitas que incluem ervas, vitaminas, minerais, entre outras substâncias que prometem um significativo crescimento peniano. Não existe comprovação científica de eficácia para nenhum desses produtos e operações de fiscalização já encontraram pesticidas, traços de chumbo, bactérias nocivas e até fezes de animais na composição dos mesmos. O mesmo alerta vale para ervas e outras plantas medicinais da cultura popular. São apenas mitos e podem trazer potenciais perigos.

               Alguns poucos estudos e reportes meio suspeitos alegam crescimentos em torno de 1 centímetro utilizando uma técnica similar a de algumas tribos indígenas, nas quais os índios prendem pesos nas orelhas, por exemplo, para forçá-la a esticar e ir crescendo aos poucos, até ficarem enormes. Bem, isso funciona na orelha, um tecido cartilaginoso. Como eu disse acima, o pênis é um órgão único no corpo, com propriedades completamente diferentes de uma orelha. E outra: colocar pesos/tração no pênis pode prejudicá-lo e até causar sérios danos permanentes. Não existe base científica de qualidade atestando qualquer tipo de eficácia nessa técnica (e olha que os raríssimos estudos positivos alegam crescimentos ínfimos e alertam que a técnica não funciona em todos, além de serem, provavelmente, financiados por empresas de produtos sexuais);

                 A técnica consiste em massagear o pênis puxando sangue da sua base para a glande, por um longo período de tempo e repetidas vezes. Além de não existir prova (ou lógica...) científica nenhuma de que isso funcione, você pode acabar promovendo machucados e cicatrizes permanentes na pele do pênis, além de danos em sua estrutura interna, dependendo da força de tração do movimento manual;

                 Usadas para facilitar uma ereção em homens com problemas de impotência sexual, elas estimulam o sangue a preencher o sangue do tecido cavernoso, facilitando o processo de ereção. Não existe base científica para usá-los em aumentos penianos. Por causa das pílulas ´azuis´, muitos acabaram deixando esses produtos de lado, o que deve ter impulsionado os responsáveis pelos tais equipamentos a mudarem o público alvo, alegando funções mentirosas. E se usado em demasia, essas bombas podem danificar os tecidos elásticos do pênis, dificultando ereções mais firmes, além de poderem provocar danos em veias do tecido peniano.

                  Um estudo publicado em 2006 (Ref.8) analisou 37 homens que usaram o dispositivo durante o período entre setembro de 2003 e novembro de 2004, durante 6 meses direto (3 vezes por semana e durante 20 minutos cada sessão),  e o máximo de aumento registrado em um indivíduo foi de 0,3 cm, ou seja, praticamente nada (não dá nem para afirmar que esse crescimento foi devido ao aparelho ou qualquer outra coisa no corpo da pessoa). Grande parte do restante do grupo não teve crescimento praticamente algum. Mesmo tomando todos os cuidados durante o uso do produto, evitando também longa duração de exposição, um dos voluntários teve uma perda de sensibilidade passageira e outro teve hematomas no pênis. Até hoje, nenhum outro estudo científico achou evidência alguma de efetividade das bombas de vácuo para o aumento peniano;

                   Depois de completo o crescimento peniano natural (ao redor dos 18 anos), a testosterona e o GH deixam de ter efeito no crescimento do pênis. No caso específico do GH, se houver um uso abusivo dele no corpo, pode existir um certo crescimento no órgão, assim como ocorre em várias outras estruturas do corpo (orelhas, nariz, maxilar, queixo, cotovelos, etc.), porém, não existem estudos científicos atestando essa possibilidade. Além disso, estamos falando de algo até mais perigoso do que os anabolizantes tradicionais de fisiculturistas (baseados na estrutura química da testosterona). Os danos do abuso do GH são devastadores quando se manifestam, isso sem contar as deformações corporais. Somando-se a isso, o GH pode induzir o crescimento de tumores no corpo antes benignos, disparando cânceres fatais; (2) Em crianças e adolescentes com evidências de possuírem micropênis, esses hormônios podem ser usados, sob supervisão médica, para se tentar amenizar o problema.

                      As tão faladas cirurgias de aumento peniano não seriam tão faladas assim se os homens soubessem dos riscos que envolvem o procedimento, além dos ganhos não serem lá essas coisas na maioria das vezes. A comunidade médica apenas indica esse tipo arriscado de procedimento quando os benefícios superam os riscos (assim como toda cirurgia deveria ser). Em situações médicas como micropênis (pênis realmente muito pequenos), graves deformações genéticas e lesões extensas, uma cirurgia de aumento/correção peniana pode ser indicada.

                     Geralmente, no aumento, utiliza-se a gordura do próprio paciente, retirada de outras partes do corpo, para ser implantada dentro do pênis. Os resultados podem variar entre 2 e 4 cm de aumento, e uma maior espessura. Porém, a maioria se sente pouco satisfeita com a técnica porque o corpo acaba absorvendo parte da gordura para ser usada na metabolização, além dos ganhos não serem muito expressivos e deixarem muitas vezes o pênis com um aspecto deformado. E as complicações podem ser várias e com alta probabilidade de ocorrerem. Deformações, infecções graves, perda de sensibilidade e até mesmo perda do pênis são possíveis. Médicos sérios são fortemente contra esse método em indivíduos saudáveis, mesmo se os mesmos estiverem sofrendo de problemas emocionais por causa do tamanho peniano. De qualquer forma, esse é o único método efetivo de crescimento, apesar dos muito pesares. (3) 

                       Existe também uma técnica mais comum de cirurgia que envolve o corte do ligamento que anexa o pênis ao osso pubiano e posterior enxerto de pele na base do órgão para permitir um aumento extra de comprimento quando o mesmo estiver flácido (cerca de 2 cm na média). Porém, não existem ganhos de comprimento durante a ereção. Além disso, o ângulo ereto do pênis passará a ficar bem mais curvo, o que pode não agradar o homem durante a relação sexual. Ou seja, não vale a pena, especialmente considerando os riscos de uma cirurgia.




            Como não existem técnicas cientificamente comprovadas de aumento peniano (com exceção da arriscada cirurgia), o jeito é aprender a conviver com o seu pênis. Tenha em mente que a maior parte dos problemas penianos é apenas algo psicológico. Um casal heterossexual, por exemplo, pode ter ambos os lados, masculino e feminino, preocupados com a visão de um sobre o seu pênis e a visão do outro sobre seus seios. Mesmo nenhum deles se importando com o tamanho desses órgãos, no universo mental individual cria-se uma grande aflição injustificada. Claro, mais uma vez, o preconceito cultural dá aquela ajudinha em puxar o tapete. E outra: diversas pesquisas mostram que a maior parte dos homens preocupados com o tamanho do seu pênis possuem dimensões penianas normais e que cerca de 85% das mulheres não consideram o tamanho do pênis do seu parceiro algo que influencie negativamente na relação sexual.

             Caso se sinta incomodado com alguma parte do seu corpo, converse com o seu parceiro sobre o problema. Pode ser difícil começar o assunto, mas no final você poderá sair agradecendo pela iniciativa. Mas caso o drama psicológico esteja muito forte e atrapalhando sua vida (depressão, falta de concentração, etc.) procure a ajuda de um profissional, como um psicólogo. Sempre peça ajuda nessas situações, porque ninguém é, nunca foi e nunca será uma ilha. E se sua parceira, ou parceiro, estiver reclamando do tamanho do seu pênis ou dos seus seios, não é hora de você ir correndo para uma mesa cirúrgica, mas, sim, ir correndo trocar de parceiro ou parceira...:)

(1) Pode não existir um prepúcio por causa do procedimento de circuncisão, o qual consiste em remover toda essa pele que envolve a glande. A cirurgia de circuncisão é feita por causas religiosas, higiênicas e/ou devido à problemas na anatomia peniana. É um procedimento feito há séculos e, hoje, é uma cirurgia muito simples e segura de ser feita em hospitais, sendo obrigatória entre os Judeus. Existem evidências médicas de que a transmissão da Aids é diminuída depois da circuncisão, e o mesmo vale para várias outras doenças sexualmente transmissíveis. A remoção do prepúcio também facilita a limpeza da glande.

(2) Um mito bastante difundido, mas falso, é um que relaciona os praticantes de fisiculturismo com um pênis pequeno, devido ao uso de anabolizantes. Existe uma confusão nessa parte, porque o que pode atrofiar com o uso extra de testosterona, ou similares, são os testículos, e não o pênis. Os testículos podem encolher porque eles passam a ter suas funções menos requisitadas pelo corpo, já que eles são os responsáveis pela produção de testosterona no homem. Ora, se existe muita testosterona/similares entrando no corpo por outro caminho, significa que eles são meio inúteis e devem parar de produzi-la para não elevar ainda mais os níveis do hormônio no sangue. Para isso, o órgão acaba sendo atrofiado. De qualquer forma, o uso de anabolizantes traz sérios riscos à saúde, especialmente se utilizados sem supervisão médica.

(3) Muitos homens ao redor do mundo acabam indo também em clínicas suspeitas, coordenadas por profissionais nada profissionais, para fazerem injeções no pênis com substâncias diversas, como óleos e silicone. Os danos a curto e longo prazo costumam ser graves. No Vietnã, a situação é pior ainda. Lá, vários homens costumam injetar silicone no pênis por conta própria, pois acreditam que isso irá aumentar bastante o pênis e trazer uma vida sexual mais feliz. As hospitalização de emergência no país é enorme por causa dessa situação, com casos reportados de perda do pênis.


CURIOSIDADE: Existe uma crença popular de que o tamanho do pênis está relacionado com o tamanho de outras partes do corpo do homem, como os pés ou as mãos. Como exemplo, pessoas com pés grandes teriam um pênis também grande. Estudos científicos já foram feitos para elucidar a questão, mas nenhuma relação de proporcionalidade do tipo foi encontrada. Ou seja, a crença é infundada, sendo apenas um mito popular.


Artigo relacionado: Cirurgia para a mudança da cor dos olhos vale a pena?


REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS
  1. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0302283802002646
  2. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1046/j.1464-410x.1998.00672.x/full
  3. http://www.nature.com/ijir/journal/v19/n6/abs/3901569a.html
  4. http://www.mayoclinic.org/healthy-lifestyle/sexual-health/in-depth/penis/art-20045363?pg=1
  5. http://tuoitrenews.vn/society/10668/another-vn-man-suffers-complications-of-penile-augmentation
  6. http://en.baomoi.com/Info/Man-almost-lost-his-penis-because-of-silicone-injection/9/391955.epi
  7. Small Penis Syndrome
  8. Vacuum Pump study
  9. http://www.livescience.com/4387-penis-enlargement-products-short.html
  10. http://search.proquest.com/openview/97c9af78fc0351477239bdfffeb072c7/1?pq-origsite=gscholar
  11. https://dash.harvard.edu/handle/1/8889486
  12. http://journals.lww.com/co-urology/Abstract/2008/11000/Penile_enlargement.7.aspx
  13. Proporção do pênis relativa à outras partes do corpo
  14. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC548174/
  15. http://www.nhs.uk/Livewell/penis-health/Pages/penis-enlargement.aspx
  16. http://www.mayoclinic.org/healthy-lifestyle/sexual-health/in-depth/penis/art-20045363?pg=2
  17. http://www.soc.ucsb.edu/sexinfo/article/penis-enlargement
  18. https://fisd.oxfordshire.gov.uk/kb5/oxfordshire/directory/advice.page?id=aLwiIIoRmPY