YouTube

Artigos Recentes

Ejaculação feminina existe?


- Atualizado no dia 4 de dezembro de 2020 -


           Ejaculação feminina é definida como a expulsão de fluído através da uretra durante o orgasmo em resposta à estimulação sexual. Sua ocorrência já vem sendo descrita há mais de 2 mil anos, com a primeira descrição documentada conhecida datada do século IV d.C., em um antigo texto Chinês chamado "Instruções Secretas Relativas à Câmara de Jade" (Ref.3). Apesar dessa longa história, ainda hoje existe controvérsia sobre a função e a composição da ejaculação feminina e mesmo sobre sua real existência. 


- Continua após o anúncio -


          Após a mulher atingir o orgasmo, existe liberação de um fluído mucoide e incolor que aumenta com a estimulação. Esse fluído - sugerido ajudar na lubrificação da vagina - é liberado pelas glândulas vestibulares maiores (ou glândulas de Bartholin), estas as quais são estruturas exócrinas localizadas na abertura vaginal posterior aos lábios menores. Porém, essa não é a ejaculação feminina. Durante o orgasmo, existe também a liberação de pequenas quantidades de um fluído esbranquiçado e espesso, bioquimicamente comparável ao plasma prostático, incluindo antígeno específico da próstata (PSA), ácido prostático-específico fosfatase, frutose e glicose. Esse fluído é produzido pela próstata feminina (Glândulas de Skene) (1) e excretado pela uretra. Essa é a real ejaculação feminina e existe suficiente evidência científica da sua existência, apesar de ser incerto sua função. Especula-se que o fluído da próstata feminina possa dar suporte extra aos espermatozoides.

----------
-----------

           É importante mencionar que, durante o orgasmo, pode também existir a liberação de uma significativa  quantidade de um líquido incolor (conhecido como squirt), um fenômeno muito famoso em produções pornográficas e comum de ocorrer em várias mulheres. Mas, diferente do que muitos pensam, isso não é uma ejaculação feminina, e, sim, incontinência urinária (incontinência de coito). Aquele líquido que esguicha é bioquimicamente idêntico a urina diluída, possui origem da bexiga, e pode somar de 15 mL até 110 mL. Alguns estudos sugerem que essa expulsão de líquidos da bexiga pode ter uma função antimicrobiana, ou seja, infecções que poderiam ser transmitidas por via sexual podem talvez ser prevenidas ou amenizadas com o esguicho, o que teria suportado uma vantagem evolucionária para as mulheres que possuem essa "ejaculação de urina", e culminando em seleção positiva.

          Uma curiosidade sobre isso é que o governo Britânico, em 2014, chegou a proibir cenas em filmes pornográficos no Reino Unido exibindo "ejaculação feminina" (Ref.8). Isso porque, de acordo com a estranha lei - associada à BBFC (British Board of Film Classification) -, só poderiam ser aceitas cenas com ejaculação feminina caso fosse possível provar que era realmente ejaculação feminina (fluído prostático) e não apenas urina (squirt), devido ao fato do ato de ganhar prazer sexual via urina ser considerado ofensivo/obsceno pelo Ato de Publicações Obscenas do Reino Unido. 


REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS
  1. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1743-6109.2011.02472.x/abstract
  2. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/jsm.12799/abstract
  3. https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/ca.23654
  4. http://www.medical-hypotheses.com/article/S0306-9877%2809%2900513-1/abstract 
  5. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1743-6109.2011.02472.x/abstract
  6. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/jsm.12166/abstract
  7. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/jsm.12166/abstract
  8. https://www.vice.com/en/article/nnqy3g/joel-golby-ejaculation-police-squirting-vaginas-jizzing-cocks-808