YouTube

Artigos Recentes

Devo me preocupar com a cafeína?


- Artigo atualizado no dia 25 de agosto de 2020 -

Compartilhe o artigo:



          A cafeína é a droga psicoativa mais consumida no mundo devido ao grande consumo de café e crescente consumo de bebidas energéticas, e alguns dos seus efeitos no comportamento de um indivíduo (como um maior ânimo) podem lembrar aqueles produzidos pela cocaína, anfetaminas e outros estimulantes. Aliás, os efeitos estimulantes da cafeína no sistema nervoso central são conhecidos há séculos, sendo usada para esse fim como uma droga - a partir do café - já no século XV, na região do Oriente Médio. A fama do café como um estimulante tornou a bebida bastante popular na Europa a partir do final do século XVII.

          A cafeína pode ser parte de uma dieta saudável para a maioria das pessoas, mas muita cafeína pode impor um perigo para a saúde humana. Dependendo de fatores como massa corporal, uso concomitante de medicamentos, e sensibilidade individual, um consumo 'excessivo' dessa substância pode variar de pessoa para pessoa. Grávidas devem evitar a todo custo a cafeína.

- Continua após o anúncio -



   CAFEÍNA

          A cafeína (1,3,7-trimetilxantina) é um composto orgânico alcaloide amargo que ocorre naturalmente em mais de 60 plantas incluindo nos grãos de café, nas folhas de chá, sementes de Cola e sementes de cacau. A hipótese mais aceita é que a cafeína era originalmente um nutriente não-essencial para as plantas, mas extremamente útil como um pesticida, e, por esse motivo, acabou sendo selecionada positivamente durante os processos evolutivos. De fato, a cafeína é tóxica para vários insetos e animais, especialmente herbívoros. Através da cafeína, a planta pode defender a si mesma e possui uma melhor chance de sobrevivência. Nesse sentido, essa substância pode ser considerada um agente protetor metabólico que co-evoluiu com as plantas. A cafeína também pode ser sintética (produzida artificialmente), sendo adicionada em alguns medicamentos, alimentos e bebidas.




          A cafeína é absorvida no estômago e no intestino delgado, e, então, distribuída através do corpo. A quantidade máxima circulando no organismo é alcançada após 30-45 minutos depois de ingerida - mas podendo variar de 15 a 2 horas - e somente pequenas quantidades ficam em circulação entre 8 e 10 horas depois. A concentração da substância diminui à medida que ela é metabolizada pelo fígado - principalmente pelo sistema enzimático associado ao citocromo P450 oxidase, em particular pela enzima CYP1A2 -, e outros compostos podem interferir na velocidade desse metabolismo, como os canabinoides/maconha (acelera) e hormônios esteroides (desaceleram) - os contraceptivos orais tendem a dobrar a meia-vida da cafeína no organismo. O fumo acelera enormemente o metabolismo da cafeína, reduzindo sua meia-vida em até 50%. A gravidez reduz enormemente o metabolismo da cafeína, especialmente no terceiro trimestre, quando a meia-vida da cafeína alcança valores de até 15 horas. Na média, essa meia-vida em adultos é de 2,5 a 4,5 horas, mas pode variar bastante de uma pessoa para outra. Os recém-nascidos possuem uma capacidade limitada de metabolizar a cafeína, e a meia-vida fica em torno de 80 horas. Após 5 a 6 meses de idade, a capacidade de metabolizar a cafeína não muda muito com a idade.

          A taxa de metabolismo também varia de pessoa para pessoa, o que explica as diferentes sensibilidades individuais frente aos efeitos da cafeína. Nesse sentido, entram fatores como variações no gene CYP1A2 e o ritmo circadiano (o qual regula o citocromo P450). Os metabólitos da cafeína incluem paraxantina e, em menores quantidades, teofilina e teobromina, os quais são subsequentemente metabolizados em ácido único e este eventualmente excretado com a urina.           

         No cérebro, a cafeína parece ter múltiplos alvos, mas o principal provavelmente são os receptores de adenosina. Ali, a substância dispara uma cadeia de eventos que afeta a atividade da dopamina, um importante mediador cerebral, e de áreas do cérebro envolvidas com a estimulação, prazer e pensamento. Ao estimular o sistema nervoso central, a cafeína pode fazer você se sentir mais acordado e dar a você uma maior energia. A cafeína também pode contribuir para o alívio de dores quando adicionada (100-130 mg) a outros agentes analgésicos. O consumo inicial de cafeína pode aumentar temporariamente a pressão sanguínea, mas resistência é gerada dentro de 1 semana de consumo regular.

           Nesse sentido, existem evidências clínicas de que a cafeína pode ajudar a diminuir o progresso de doenças, como o Parkison, ao agir em diferentes regiões do cérebro, e também atuar de forma protetora contra doenças neurodegenerativas como o Alzheimer. Por outro lado, também pode desencadear problemas de hipertensão (ao aumentar a pressão sanguínea), enrijecimento de artérias, e aumento no nível de colesterol e insulina, ao interferir com funções em outras partes do corpo a partir de um excesso. Além disso, a cafeína pode interferir com a absorção de cálcio no corpo e age também aumentando a liberação de ácido clorídrico no estômago, o que pode levar a uma irritação estomacal ou queimação.

          O consumo leve-moderado de cafeína não está associado a maiores riscos de doenças cardiovasculares e de cânceres. Aliás, um consumo leve-moderado de cafeína pode reduzir o risco de fibrose hepática, cirrose e câncer no fígado (Ref.14).

           Nas unidades tratamento intensivo neonatal (UTINs), bebês prematuros nascidos com menos de 29 semanas recebem doses diárias de cafeína (terapia de cafeína) para ajudar a assegurar um desenvolvimento cerebral apropriado. Aliás, a cafeína é a droga mais comumente usada no NICU depois dos antibióticos. E estudos recentes (Ref.11) mostram que quanto mais cedo essa substância é administrada nos bebês prematuros, melhores os resultados, incluindo benefícios para a função respiratória, melhor cognição e menores riscos de danos a funções sensoriais, como a audição. Nos adultos a cafeína pode melhorar levemente as funções pulmonares.


           O conteúdo de cafeína varia bastante nas bebidas de café, dependendo da matéria-prima e forma de preparo, com 240 ml podendo possuir de 60 a 200 mg desse composto. Em geral, assume-se que 240 ml fornece cerca de 100 mg de cafeína na média, mas é preciso ficar atento com os tipos de café sendo consumidos. Em outros produtos ricos em cafeína, como energéticos, o rótulo das embalagens geralmente vem trazendo a quantidade dessa substância. Na tabela abaixo, quantidades estimadas de cafeína presentes em diferentes bebidas.


          É preciso ficar atento também quando um chá ou café se dizem 'descafeinados'. Isso não significa que essas bebidas estão livres de cafeína, apenas que elas possuem menos cafeína do que as versões tradicionais. Por exemplo, cafés descafeinados tipicamente geram bebidas com cerca de 2-15 mg de cafeína para cada 200 ml. Caso você seja muito sensível à cafeína, é recomendado evitar também as versões descafeinadas.


          Nesse sentido, as recomendações relativas ao consumo diário de cafeína pelas agências de saúde variaram bastante ao longo das décadas. Estudos mais recentes sugerem que 400 mg diários é um limite seguro para a maioria das pessoas, enquanto alguns alertas internacionais mais conservadores colocam um máximo entre 200 e 300 mg diários. Porém, diferentes pessoas podem apresentar diferentes sensibilidades à cafeína, e o consumo seguro para um pode ser tóxico para outro. A dose letal de cafeína no corpo humano situa-se entre 150 e 200 mg/kg, o que em um adulto de 75 kg equivale a algo entre 11,25 e 15 g.

          No geral, consumidores leves de cafeína ingerem menos do que 200 mg/dia da substância, consumidores moderados entre 200 e 400 mg/dia e consumidores pesados acima de 400 mg/dia. Nos EUA, cerca de 85% dos adultos consomem cafeína diariamente, com uma média de ingestão de 135 mg da substância por dia.

          A Academia Norte-Americana de Pediatria desencoraja o consumo de cafeína e de outros estimulantes para crianças e adolescentes. Crianças, em especial, possuem uma massa corporal bem menor do que adultos, e pequenas quantidades de cafeína podem se tornar relativamente grandes para elas. 

          Pacientes com problemas mentais também devem estar atentos ao consumo de cafeína, porque esta pode atuar de forma negativa no sistema nervoso desses indivíduos (apesar das escassas evidências clínicas para quaisquer conclusões). Interação da cafeína com os medicamentos administrados a esses pacientes também é outra preocupação. Um estudo publicado em 2017, no periódico Clinical Neuropharmacology (Ref.10), reportou prejuízos em um paciente com transtorno bipolar decorrentes do consumo muito excessivo de café (1300-2000 mg/dia de cafeína), principalmente via interferência na biodisponibilidade de lítio dos medicamentos prescritos.

- Continua após o anúncio -


       
   CAFEÍNA E GRAVIDEZ

          Grávidas e mães amamentando devem reduzir ao máximo o consumo de bebidas cafeinadas ou mesmo evitar a ingestão de cafeína, já que pequenas quantidades de cafeína conseguem atravessar a placenta e também são eliminadas junto com o leite materno. Além disso, a cafeína estimula a secreção de hormônios de estresse catecolaminas da epinefrina e norepinefrina. Níveis elevados de catecolaminas possuem o potencial de aumentar a vasoconstrição placental e aumentar a taxa de batimento cardíaco do feto, levando a falhas na oxigenação fetal.

          Durante a gravidez, a meia-vida da cafeína aumenta de ~5 horas no primeiro trimestre para cerca de 18 horas na 38° semana de gravidez, aumentando o risco de exposição fetal e os efeitos farmacológicos da substância no organismo. Isso explica o porquê de muitas mulheres grávidas espontaneamente diminuírem o consumo de cafeína ao longo do curso gestacional. Aliás, bebês recém-nascidos de grávidas consumindo cafeína têm sido observados experienciando sintomas de abstinência a essa substância, incluindo distúrbios do sono, vômitos, batimentos cardíacos e taxa respiratória irregulares ou de maior frequência, e aumento de tremores.

           Um estudo publicado no Journal of Endocrinology (Ref.13) sugeriu que um consumo maior do que 300 mg/dia de cafeína entre as grávidas pode causar danos no fígado do bebê, baixo peso no nascimento e aumentar os riscos para o desenvolvimento de doenças diversas na fase adulta. Os pesquisadores responsáveis pelo estudo sugeriram inclusive que grávidas deveriam evitar o consumo de cafeína até que a questão seja melhor esclarecida. Guias de saúde, em geral, recomendam um consumo máximo de 200 mg/dia.

          Nesse caminho, uma robusta e mais recente análise de dezenas de estudos observacionais - incluindo revisões sistemáticas e meta-análises de estudos do tipo - publicada no periódico BMJ Evidence Based Medicine (Ref.15) -, concluiu que não existem níveis seguros para o consumo de cafeína pelas mulheres grávidas. O consumo de cafeína mostrou estar fortemente associado com aborto espontâneo, natimorto, baixa massa corporal no nascimento e/ou pequenas dimensões para a idade gestacional, e leucemia infantil aguda.

         Os estudos analisados eram observacionais e portanto não estabelecem causa e efeito. Existem co-fatores que podem impactar nos resultados alcançados, como o fumo durante a gravidez e sintomas da gravidez, incluindo vômito e náusea (I), estes os quais geralmente indicam uma gravidez saudável e podem desestimular o consumo de café e outros alimentos ricos em cafeína. Porém, os autores apontaram que a natureza da resposta-dose em relação às associações entre cafeína e resultados adversos da gravidez, e o fato de alguns estudos não terem encontrado um nível-limite onde efeitos negativos do consumo de cafeína durante a gravidez estavam ausentes, suporta um provável fator causal, não uma mera associação.

----------
          
          Nesse sentido, e considerando as evidências prévias acumuladas, os autores do estudo na BMJ pediram por uma radical revisão nas recomendações das atuais guias de saúde sobre o consumo de cafeína durante a gravidez, e reforçaram o conselho para as mulheres grávidas evitarem a cafeína.

- Continua após o anúncio -



   CAFEÍNA DESIDRATA O CORPO?

          Apesar da cafeína possuir efeitos diuréticos no corpo humano, o consumo normal de bebidas cafeinadas não leva a uma perda excessiva de fluídos ou está associado a quadros de desidratação. Evidências clínicas acumuladas nas últimas décadas mostram que um pequeno maior estímulo de produção urinária ocorre se o indivíduo consumir grandes doses agudas de cafeína (no mínimo 250-300 mg de uma só vez) e apenas no caso dele não estar consumindo cafeína por um período de dias ou semanas. Uma profunda tolerância aos efeitos diuréticos e outros associados à cafeína emergem com o consumo regular de bebidas cafeinadas.

          Doses de cafeína equivalentes à quantidade normalmente encontrada em porções padrão de café e chá não possuem ação diurética perceptível. Ou seja, não existe problema algum, por exemplo, beber um copo de café antes de uma longa corrida. Nesse sentido, bebidas cafeinadas - caso não possuam concentrações muito altas de cafeína - são hidratantes como um copo de suco ou uma água mineral. A crença contrária é apenas um mito.

          Para uma discussão mais aprofundada sobre o assunto, acesse: Cafés e chás nos desidratam?


   COMO SABER SE ESTOU CONSUMINDO UM EXCESSO DE CAFEÍNA?

          O consumo excessivo de cafeína pode causar insônia, nervosismo, ansiedade, batimentos cardíacos acelerados, irritação no estômago, náusea, dor de cabeça, e um sentimento de infelicidade (disforia).

          Agências de saúde estimam que efeitos tóxicos, como ataques súbitos, podem ser observados com o rápido consumo de cerca de 1200 mg de cafeína. Nesse sentido, produtos com concentrações de cafeína muito altas representam um sério risco à saúde, com casos já registrados de mortes. Frequentemente esses produtos são rotulados como suplementos alimentares, e se apresentam em versões líquidas ou em pó, com alguns deles trazendo a cafeína de forma pura. Uma colher de chá de um produto desses contendo cafeína pura pode equivaler a 30 copos de 200 ml de café ingeridos de uma só vez.


- Continua após o anúncio -



   BEBER MUITO CAFÉ É UM SUBSTITUTO PARA O SONO?

          Não! Cafeína é um estimulante, o que pode fazer o indivíduo ficar mais alerta e acordado, mas isso não substitui o sono, este o qual garante vitais benefícios para o corpo longe de serem alcançados pela simples ação da cafeína. Aliás, como leva de 4 a 6 horas para o corpo humano metabolizar metade da cafeína consumida, o consumo de bebidas cafeinadas próximo da hora de dormir pode prejudicar o sono e consequentemente causar prejuízos à saúde.


   COMO CORTAR O CONSUMO DE CAFÉ SEM EFEITOS ADVERSOS?

          Se você ingere diariamente bebidas contendo cafeína, e quer cortar o consumo, o melhor é fazer isso de forma gradual. Parar de forma abrupta pode causar sintomas de abstinência, como dores de cabeça, ansiedade e nervosismo. Porém, diferente de drogas como os opioides e o etanol (bebidas alcoólicas), os sintomas de abstinência de cafeína não são considerados perigosos, mas podem ser desagradáveis.

          A cafeína, como outras substâncias psicoativas, pode induzir a abusos e dependência. O uso da cafeína é legalizado, como as bebidas alcoólicas e o tabaco, mas ao contrário desses dois últimos, sua venda na forma de bebidas ou suplementos alimentares altamente concentrados não é controlada ou restrita, algo que deveria começar a ser questionado.


   CAFÉ CAUSA ENXAQUECA?

          Apesar de alguns potenciais gatilhos de enxaqueca - como a falta de sono - atuam apenas aumentando o risco de enxaqueca, o papel da cafeína é particularmente complexo, porque essa substância pode engatilhar um ataque mas também ajuda a controlar os sintomas. Nesse cenário, o impacto da cafeína dependerá tanto da dose quanto da frequência.

          Para quem sofre de enxaqueca crônica, o excesso de cafeína precisa ser evitado. Analisando 98 adultos sofrendo desse problema ao longo de 4467 dias, um estudo publicado no American Journal of Medicine (Ref.12) encontrou que o consumo diário leve ou moderado de bebidas cafeinadas (<480 ml de café, um máximo de 300 mg de cafeína) não está associado com um maior risco de engatilhar um episódio de enxaqueca. Porém, os pesquisadores encontraram que um consumo de níveis mais elevados de bebidas cafeinadas (acima 300 mg/dia de cafeína) está associado a um maior risco, diretamente proporcional à quantidade de cafeína ingerida. Para os indivíduos pouco habituados a consumirem bebidas cafeinadas, os pesquisadores encontraram que mesmo um consumo leve ou moderado pode ser suficiente para disparar um episódio de enxaqueca no dia de consumo.

          O mecanismo primário proposto ligando cafeína e enxaqueca são os receptores de antagonismo de adenosina da cafeína. Como um regulador de dor, a adenosina inibe ou promove dor, dependendo da localização (periférica ou central), tipo de dor (aguda ou crônica) e subtipo do receptor ativado. Por isso a cafeína é usada como componente em analgésicos. Com um consumo regular de bebidas cafeinadas (480 ml ou mais de café por mais de 5 dias), temos uma up-regulação dos receptores de adenosina A1 e um aumento extracelular dessa última. Nesse sentido, isso pode explicar poque as pessoas que sofrem de enxaqueca crônica suportam o consumo de bebidas cafeinadas caso sejam consumidoras regulares. Essa maior tolerância leva também ao disparo de dores de cabeça quando o consumo é cortado.

- Continua após o anúncio -



   CONCLUSÃO

          As evidências científicas até o momento acumuladas sugerem que a ingestão de cafeína é relativamente segura em doses tipicamente encontradas em alimentos e bebidas comercializados. Porém, suplementos alimentares e energéticos com altas concentrações de cafeína podem impor substanciais riscos à saúde. Existem também algumas populações, como grávidas, crianças e indivíduos com doenças mentais, que são potencialmente mais vulneráveis aos efeitos da cafeína, sendo aconselhável uma orientação médica sobre o consumo dessa substância ou, no mínimo, seguir um consumo leve ou, no máximo, moderado.




REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS
  1. https://www.fda.gov/ForConsumers/ConsumerUpdates/ucm350570.htm 
  2. https://medlineplus.gov/caffeine.html 
  3. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4462044/
  4. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK430790/
  5. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5445139/
  6. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26677204
  7. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19774754
  8. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24235903
  9. https://journals.lww.com/acsm-essr/Fulltext/2007/07000/Caffeine,_Fluid_Electrolyte_Balance,_Temperature.8.aspx
  10. https://journals.lww.com/clinicalneuropharm/Abstract/2017/07000/Effect_of_Excessive_Coffee_Consumption_on_the.2.aspx
  11. https://pediatrics.aappublications.org/content/143/1/e20181348
  12. https://www.amjmed.com/article/S0002-9343(19)30210-4/fulltext
  13. https://joe.bioscientifica.com/abstract/journals/joe/242/1/JOE-18-0684.xml
  14. https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMra1816604
  15. https://ebm.bmj.com/content/early/2020/07/28/bmjebm-2020-111432