YouTube

Artigos Recentes

Os Copos Menstruais valem a pena?


- Artigo atualizado no dia 25 de julho de 2019 -

Compartilhe o artigo:



          Ficando cada vez mais populares nos últimos anos, os 'Copos Menstruais' (Menstrual Cups, em inglês) vêm sendo frequentemente reportados como substitutos aceitáveis para os tradicionais absorventes do tipo tampão (pequeno rolo de algodão ou gaze que a mulher usa na menstruação para parar o sangramento). Esses copos flexíveis prometem uma sustentável solução para se lidar com a menstruação, com custos muito modestos e sem significativos riscos à saúde. Ficaram ainda mais tentadores após receberam a aprovação do FDA (Agência de Drogas e Alimentos dos EUA).

          Mas, afinal, o que são esses "copos menstruais"? Será que eles compensam e são realmente livres de riscos à saúde?

- Continua após o anúncio -



   MENSTRUAÇÃO

          Menstruação, ou 'período', é um sangramento vaginal normal que ocorre como parte do ciclo mensal de uma mulher a partir, geralmente, da idade de 11-14 anos e continua até a menopausa (em torno de 51 anos) (1). Eles normalmente duram de três a oito dias. Estimados 1,9 bilhão de mulheres (adultos e adolescentes do sexo feminino) ao redor do mundo - cerca de 26% da população - estavam em idade de menstruação em 2017, gastando na média 65 dias lidando com o fluxo sanguíneo menstrual.

          Esse sangramento ocorre porque, todo mês, o corpo da mulher se prepara para uma possível gravidez, com a parede de revestimento interno do útero crescendo uma estrutura para acomodá-la. Se nenhuma gravidez ocorre, o útero desmancha esse novo revestimento. Em outras palavras, o sangramento menstrual é parte sangue e parte tecido do interior do útero, com o fluxo seguindo via vagina a partir de um pequeno orifício no cérvix.

         Além do sangramento, outros sintomas podem vir acompanhados, geralmente relacionados com os baixos níveis de hormônios estrógenos e progesterona (algo que orienta o seu corpo a iniciar a menstruação):

- dor abdominal ou devido a cãibras pélvicas;
- dor na parte inferior das costas;
- seios inchados ou inflamados;
- desejos alimentares;
- irritabilidade e mudança de humor;
- dor de cabeça e fatiga

         Somando-se a isso, pode também ser manifestado a famosa TPM (Tensão Pré-Menstrual) em muitas mulheres, a qual engloba um espectro de sintomas físicos e emocionais. Geralmente é iniciada antes do período menstrual (2).

        Irregular ou pesados/dolorosos períodos menstruais não são normais, e precisam de atenção médica. Um típico ciclo menstrual dura 28 dias, mas para cada mulher pode existir variações. Além disso, para uma mesma mulher, a duração de cada ciclo pode ser diferente de mês para mês. Seus períodos ainda são "regulares" se eles normalmente vêm a cada 24 ou 38 dias. Isso significa que o tempo para o primeiro dia da sua última menstruação até o início da sua próxima menstruação é, no mínimo, 24 dias, mas não mais do que 38 dias.

        Em média, uma mulher perde cerca de 60 ml de sangue durante o período menstrual, mas essa quantidade pode ser maior ou menor dependendo da mulher, idade e até mesmo do mês da menstruação. Sangramento muito abundante, de longa duração (mais de oito dias) ou com coágulos muito grandes devem ser relatados ao médico. Em geral, uma perda sanguínea total ao longo de um período menstrual de 4 a 5 dias é considerada normal caso seja inferior a 60 ml, moderadamente pesada se fica entre 60 e 100 ml e excessiva se ultrapassa os 100 ml.

        Nesse sentido, para conter esse sangramento, existem vários produtos, onde podemos citar os absorventes tradicionais, esponjas e os relativamente recentes copos menstruais.



Artigo Recomendados:

- Continua após o anúncio -



   COPOS MENSTRUAIS

         Também conhecidos como 'Copos da Lua', um copo menstrual é um pequeno produto de higiene feminina no formato de um copo e feito geralmente de silicone que é inserido no interior da vagina para a coleta do sangue quando você está no seu período. Pode ser deixado na vagina por até 10 horas, mas pode ser esvaziado a cada 4-12 horas, dependendo do fluxo menstrual e tipo do copo. Depois de tirar o copo com o sangue coletado, esse é esvaziado em um vaso sanitário ou na pia, para logo em seguida ser lavado e reinserido.

Aqui temos um desses copos (tipo vaginal), da marca DivaCup (Diva International Inc, USA); são alternativas ao tampão projetados para coletarem ao invés de absorverem o fluxo menstrual

          Dois tipos de copo são disponíveis, um copo vaginal, o qual geralmente possui um formato de sino e é colocado no canal vaginal, e um copo cervical, o qual, como um diafragma para contracepção, é colocado ao redor do cérvix, no início do canal vaginal. Os copos menstruais são feitos de silicone médico, borracha, látex, ou elastômero, e pode durar até 10 anos; copos menstruais descartáveis também existem.



          As marcas mais populares de copos vêm em dois diferentes tamanhos: pequeno (~40 mm de diâmetro) para mulheres com menos de 30 anos que não tiveram parto vaginal e um maior (~50 mm de diâmetro) recomendado para mulheres com 30 anos de idade ou mais e/ou que tiveram parto vaginal. Preços podem variar muito dependendo do tipo e da marca, mas ficam na média de US$23-30 ao redor do mundo.

           Entre as vantagens e desvantagens em usar um copo menstrual, temos:


   VANTAGENS

- Pode ser deixado na vagina por até 10 horas (até mesmo quando a mulher estiver dormindo!);

- Não é necessário comprar ou carregar absorventes/tampões, gerando uma grande economia e praticidade, especialmente por ser reutilizável;

- Ajuda a mulher a ficar mais familiarizada com o seu corpo.


   DESVANTAGENS

-  Inicialmente, pode ser difícil de ser inserido;

- Pode ser difícil de ser removido e limpado;

- Como envolve "lidar com um volume de sangue em um copo", algumas mulheres podem achar "nojento" (bem, mas é tecido do seu próprio corpo).


   COMO USAR?

           Bem, basicamente você deve inserir o produto na sua vagina, através de um agachamento ou levantamento das pernas para gerar um espaço de inserção. Antes, o copo (do tipo vaginal, de longe o mais comumente utilizado e o mais prático) precisa ser dobrado um número de vezes para melhor encaixar. Pode ser complicado no início, mas como ocorre com o tampão, apenas é necessário prática. Ao usar o produto, tenha as mãos higienizadas.



   MITOS SOBRE O COPO 

          Várias desinformações podem ser ouvidas sobre os copos menstruais. Entre elas, podemos citar alguns absurdos:

- Eu não posso usar os copos menstruais se eu sou uma virgem;

- Somente as mulheres que são ativistas ambientais ou apoiam a "causa verde" as usam;

- Eu não posso ir ao banheiro quando estou usando o copo;

- O copo pode se perder dentro da vagina (?).

           Além disso, não parece existir uma significativa maior taxa de expulsão inicial de dispositivos intrauterinos (DIU) enquanto usando concomitantemente tampões ou copos menstruais (Ref.7). Porém, um estudo publicado recentemente no periódico Contraception (Ref.14), analisando 7 mulheres que usavam o copo e que relataram expulsão completa ou parcial do DIU, mostrou uma associação desse evento com o processo de retirada do copo. Existem dois mecanismos propostos como causa: (I) a corda do DIU pode ser puxada junto com a retirada do copo, resultando em uma remoção parcial ou total do dispositivo de dentro do útero; (II) a sucção e o vácuo criados durante a aplicação do copo pode deslocar o DIU. De fato, parte das mulheres analisadas no estudo relataram terem puxado a corda junto com o copo e sentido uma dor aguda no momento. Apesar do estudo ser bastante limitado e inconclusivo, fica a recomendação de consultar o ginecologista caso for utilizar os dois acessórios. Se necessário, a corda do DIU passando através do cérvix pode ser cortada para reduzir os riscos de expulsão.

           É válido também mencionar um único caso reportado na literatura médica onde um tipo de copo menstrual ficou agarrado dentro da estrutura vaginal de uma mulher (Ref.8), requisitando assistência médica para retirá-lo, mas sem ter trago qualquer tipo de dano. E reforçando: isso é MUITO difícil de ocorrer.

VÁRIOS FORMATOS DE COPOS MENSTRUAIS

- Continua após o anúncio -



   SÍNDROME DO CHOQUE TÓXICO (SCT)

            O uso de absorventes diversos e copos menstruais são muito seguros se devidamente utilizados, especialmente se o quesito higienização for seguido religiosamente. Caso contrário, podemos ter uma desagradável visita bacteriana.

            O termo 'síndrome do choque tóxico' foi primeiro utilizado em 1978 em uma publicação da Lancet (um periódico científico) descrevendo um espectro de sintomas em crianças de 8 a 17 anos de idade com uma doença febril aguda. Porém, o termo não veio à atenção do público até 1980, quando uma associação entre SCT e jovens mulheres menstruando que estavam usando tampões - incluindo a morte de 63 mulheres - foi descoberta. Os fatores de risco incluíam a utilização de tampões de alta absorção e o seu prolongado, contínuo uso. Casos ocorrendo em homens e mulheres não menstruando foram depois identificados e reconheceu-se, então, que o SCT ocorria em qualquer população.

           A associação entre SCT e os tampões de alta absorção compreende os prováveis seguintes fatores (todos favorecendo um maior crescimento da bactéria Staphylococcus aureus):

1. Acumulação de sangue nos cubos e chips de forro de poliéster da carboximetilcelulose;
2. Aumento do pH vaginal na menstruação de 4,2 para cerca de 7,4;
3. Existência tanto de oxigênio quanto de dióxido de carbono na vagina durante a menstruação.

          De qualquer forma, conscientização do público e mudança na composição de tampões para produtos com materiais menos absorventes levaram a uma significativa diminuição na incidência de SCT relacionado à menstruação a partir da década de 1990.

          O SCT Menstrual é uma doença muito severa, multissistêmica e mediada por toxina bacteriana que está associada com a falha de múltiplos órgãos, essa última a qual é causada em quase todos os casos (95%) pela 'S. aureus SCT toxina 1' (SCTT-1). Essa toxina age como um super-antígeno, estimulando uma excessiva e não-convencional ativação de células T e, subsequentemente, a grande expressão de citocinas. Super-antígenos contornam a principal histocompatibilidade normal de reconhecimento de antígenos e ativam 30% das células T hospedeiras, enquanto antígenos convencionais geram uma ativação de aproximadamente 0,01% da população de células T hospedeiras. Eventualmente, uma abundante liberação de citocinas acaba causando falhas em múltiplos órgãos.

             Entre os sintomas de uma SCT, temos:

- Súbita febre alta
- Dores musculares
- Vômitos
- Náusea
- Vermelhidões
- Diarreias
- Entre outros ligados às falhas de órgãos diversos

         O tratamento da SCT inclui ativa ressuscitação por fluídos, uso de vasopressores e apropriada terapia antimicrobiana. Outras estratégias podem ser usadas dependendo da gravidade e do paciente.

        Mas algo que deve ficar claro aqui é que hoje a maioria dos casos de SCT não são causados pelo uso de tampões. Por outro lado, você pode estar sob risco caso use mais tampões absorventes de que precisa para o seu sangramento ou se você não o troca com suficiente frequência (no mínimo a cada quatro ou oito horas). Nesse sentido, copos menstruais, capas cervicais, esponjas ou diafragmas (qualquer coisa inserida na vagina) pode aumentar seu risco de desenvolver uma SCT se tais produtos são deixados inseridos no canal vaginal por tempo muito prolongado (geralmente cerca de 24 horas). Remova esponjas a cada 30 horas e capas cervicais a cada 48 horas. Os copos menstruais devem ser trocados de 10 em 10 horas no máximo.

         Apesar do silicone - material do copo menstrual - não dar suporte para o crescimento microbiológico, a presença de sangue acumulado no ambiente uterino é suficiente para promover o crescimento da bactéria S. aureus durante a menstruação, assim como outros produtos inseridos dentro da vagina. Mas se você troca com devida frequência os copos menstruais - especialmente tratando-se de mulheres com maiores fluxos ou irritação na mucosa vaginal -, não existe risco significativo. Até hoje apenas um caso de SCT ligado aos copos menstruais parece ter sido reportado na literatura acadêmica (Ref.5), apesar disso não significar necessariamente que os copos são uma opção mais segura nesse quesito.

          Aliás, um estudo experimental publicado em 2018 na Environmental Microbiology (Ref.15) encontrou um pequeno maior crescimento populacional da S. aureus e maior produção de toxinas nos copos menstruais quando comparado com tampões hoje utilizados (como os de algodão). A explicação para essa diferença, segundo os pesquisadores, pode ser devido à maior introdução de ar oxigenado na região onde o sangue é coletado durante a colocação do copo (bactéria aeróbica). Nesse sentido, eles recomendam, quando possível, copos menstruais menores para limitar esse efeito.       

- Continua após o anúncio -



   CONCLUSÃO

          Os copos menstruais estão ficando cada vez mais populares, e estudos mostram uma grande satisfação reportada pela maioria das mulheres que os usam (acima de 73-90%). São produtos muito seguros e podem ser usados como uma válida alternativa aos outros produtos de manejamento do fluxo menstrual. Se utilizados corretamente, esvaziados com suficiente frequência e forem bem higienizados, não existem riscos significativos à saúde com o seu uso, com este podendo até trazer uma boa economia financeira para a mulher e uma redução de impactos ambientais. Nesse sentido, podem ser potencialmente mais do que benéficos em regiões mais pobres do planeta, como no continente Africano.

          Um robusto estudo de revisão e meta-análise publicado em julho de 2019 no periódico The Lancet (Ref.17) reforçou que os copos menstruais são uma opção segura para a menstruação e que já estão sendo usados internacionalmente com grande aceptabilidade entre as mulheres. Foram 43 estudos elegíveis para análise (3319 participantes), explorando copos vaginais, cervicais, mistos (ou de tipo desconhecido), com 15 desses estudos analisando indivíduos de países de renda baixa ou média.

          Porém, apesar de muitas marcas desses produtos propagandearem que os copos são 100% seguros, existem pequenos riscos de infecção - assim como ocorre com os tampões - e alguns casos raros e isolados de complicações de diferentes naturezas são reportados. Por isso é importante sempre seguir as instruções recomendadas de uso, se possível com orientação médica.





REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS
  1. https://medlineplus.gov/menstruation.html
  2. https://www.womenshealth.gov/menstrual-cycle/your-menstrual-cycle#3
  3. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28473520
  4. https://playsafe.health.nsw.gov.au/sex-ed/menstrual-cups
  5. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4556184/
  6. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3114692/
  7. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22464406
  8. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22648895
  9. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25682816
  10. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5566618/
  11. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11704173
  12. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmedhealth/PMH0072478/
  13. https://www.cdc.gov/ncbddd/blooddisorders/women/menorrhagia.html
  14. https://www.contraceptionjournal.org/article/S0010-7824(19)30125-8/abstract
  15. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29678918
  16. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6000733/
  17. https://www.thelancet.com/journals/lanpub/article/PIIS2468-2667(19)30111-2/fulltext