YouTube

Artigos Recentes

Cirurgias íntimas em adolescentes



            Uma crescente tendência nada esperada pela comunidade médica está preocupando conselhos de cirurgia ao redor do mundo, especialmente nos EUA: adolescentes estão procurando cada vez mais modificações na vulva, principalmente nos pequenos lábios. Diferente da maioria das mulheres já mães, por exemplo, que buscam cirurgias do tipo ´rejuvenescimento da vagina´ para ´apertarem´ os músculos internos do órgão ou corrigirem deformações de incômodo médico nos pequenos e grandes lábios, alargados por causa de uma ou mais gravidezes (1), as jovens buscam, em sua maioria, apenas por modificações ligada ao aspecto visual da vulva (parte externa da vagina).

           Bem, é um fato: as mulheres hoje no ocidente procuram deixar seu órgão genital o mais exposto possível e isso gera inevitáveis comparações, em algo parecido com o que ocorre com os homens. Estimativas sugerem que mais de 70% das adolescentes e jovens mulheres depilam a região genital de forma rotineira. É uma tendência cultural, sem muita importância médica. Porém parece que está existindo uma certa fixação de preferências pelo aspecto de certas formas genitais externas, algo possivelmente atribuído às escolhas mais comuns das produções pornográficas. Assim, muitas adolescentes que apresentam os grandes e, principalmente, os pequenos lábios diferenciados (grandes, muito pequenos, mais inchados, etc.) ou cores na região supostamente menos apreciadas estão buscando pela intervenção cirúrgica para ajeitar suas vulvas ao tal ´padrão de beleza´.
             
            Nos EUA, segundo a American Society for Aesthetic Plastic Surgery, só no ano passado foram 400 cirurgias de labiaplastia (modificações nos lábios da vulva) entre adolescentes entre 12 e 18 anos, um aumento de 80% quando comparado com o ano de 2014, onde foram feitas 222 cirurgias do tipo. De todas as labiaplastias em anos recentes, 5% do total é feita em adolescentes. As agências de saúde pedem que os cirurgiões sejam muitos cuidadosos ao permitirem garotas tão jovens em realizar tais procedimentos. Muitos outros países, como o Brasil, Inglaterra e Austrália também estão enfrentando o mesmo problema. No Reino Unido (o qual engloba a Inglaterra), o número desses procedimentos aumentou 5 vezes entre os anos de 2001 e 2010.

           Além de ser algo desnecessário para a saúde e tendo em vista que todas as cirurgias carregam riscos consideráveis, a vulva é um órgão delicado, o qual possui diversas terminações nervosas e é  bastante suscetível a infecções, cicatrizes insistentes e perda de sensibilidade. Problemas cirúrgicos podem levar a danos permanentes na vida sexual futura da adolescente. É recomendado que se converse bastante com a jovem antes da cirurgia e se possível pedir um acompanhamento psicológico prévio para ajudar na decisão final. E, claro, é preciso lembrar que algumas situações realmente necessitam de uma intervenção médica, caso existam reais problemas na vulva. A preocupação é que essas são exceções mínimas, onde a busca majoritária é por motivos puramente estéticos. Isso sem contar que a região íntimas das adolescentes ainda está em processo de formação, resultando em riscos cirúrgicos ainda maiores.

            O que as mulheres devem entender é que existe uma diversidade enorme de vulvas, variando na simetria, formato tamanho/aspecto dos lábios e clitóris, e cor. Devido ao fato de que as produções pornográficas mais populares tendem a privilegiar certos grupos de mulheres em detrimento de outras (mulheres mais brancas, por exemplo), a diversidade de vulvas mostradas nos veículos de mídia é reduzida drasticamente, isso sem contar retoques feitos para parecerem mais claras, entre outras modificações tendenciosas. Como as mulheres possuem menor interesse em buscar por conteúdo pornográfico, elas acabam presenciando menos tipos de órgãos sexuais, ficando com aquele padrão mostrado pelas grandes produções pornográficas da moda. Como exemplo, das grandes atrizes pornôs conhecidas do público, quantas são negras, morenas e asiáticas? Quase não dá para lembrar de uma. Eles excluem demais até chegar em um grupo, basicamente, de exceções.

            Um exemplo bastante evidente das manipulações no mundo pornográfico é a coloração da região anal. Nos filmes do tipo, é muito raro vermos atrizes norte-americanas com a região anal escura, onde a mesma costuma ser bem clara, o famoso (com o perdão do termo usado) ´cu rosa´. Ora, mas tanto a região da vulva quanto do ânus (especialmente esse último) são bem escuras quando comparadas com o resto do corpo. Tê-las claras demais é muito raro, e as atrizes pornôs fazem intervenções estéticas de clareamento. Mas quando uma adolescente vê tudo bem claro e percebe que a sua é bem escura, começa a achar que a sua é muito feia e desagradável. Infelizmente, como a maioria das escolas ainda são muito conservadoras e evitam conversar mais abertamente sobre sexualidade com os jovens, as referências acabam sendo obtidas através dessas mídias tendenciosas e maquiadas. Se vídeos mostrando a real diversidade dos órgãos sexuais masculinos e femininos, de maneira didática, fossem mais apresentados e explicados nas escolas, pelo menos no ensino médio, muitos dos complexos de ordem sexual na vida adulta seriam melhor encarados.
 
             Alguns estudos (Ref.5 e 9) ainda mostram que grande parte das clínicas que oferecem, e até mesmo incentivam esses procedimentos cirúrgicos, tratam o tema com total irresponsabilidade, não mostrando claramente os riscos envolvidos e realçando a simplicidade do método. Nos sites dessas clínicas, são mostradas fotos ´antes de depois´, implicitamente tentando estabelecer um ´feio´ e ´bonito´. Além disso, muitos sites anunciando essas cirurgias apresentam graves erros de escrita médica, descrevendo erroneamente partes anatômicas e defendendo suposições científicas não suportadas pela atual comunidade médica. Por exemplo, dizer que o formato e dimensões da vulva e até mesmo da vagina influenciam no aproveitamento do ato sexual não possui base científica. Como foi dito anteriormente, as vulvas e vaginas vêm em uma infinidade de formatos e aspectos visuais, não existindo um padrão único de qualidade. Ou seja, muitas mulheres estão submetendo uma parte mais do que importante do seu corpo a clínicas e profissionais suspeitos, algo ainda mais perigoso no caso das adolescentes. Muitos vendem esse tipo de cirurgia como se estivessem vendendo limão na feira. E outro agravante aqui no Brasil: Segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM), é estimado que existam 12 mil médicos no Brasil que exercem operações plásticas na clandestinidade (Médicos Clandestinos!)

             As pessoas têm que começar a aceitar mais o corpo e parar de ficar ouvindo tendências de moda sem fundamento algum, apenas usadas e patrocinadas para venderem tratamentos estéticos caros e produtos de vestuário. Seja você mesmo e só se preocupe caso determinada característica individual sua traga problemas de saúde ou significativas deformações. E, no caso das vulvas, as mulheres heterossexuais subestimam demais o desejo sexual dos homens. Para nós, pouco importa o aspecto do órgão sexual para o alcance do prazer (na verdade, não é preciso muita coisa para que alcancemos o orgasmo...). E, no caso das relações homossexuais, o preconceito é derrubado na hora quando a mulher percebe que a sua parceira é tão normal quanto ela...:)

(1) Mesmo nesses casos, muitas cirurgias não são realmente necessárias, além de existir pouca evidência de que elas melhorarão o prazer e ato sexual.

OBS.: Infelizmente, por causa da política de fiscalização do Google contra conteúdo adulto de fins eróticos e ou pornográficos, não é possível colocar nessa página exemplos diversos de vulvas. Na Wikipédia (inglesa ou brasileira) existe um grande compilado de vulvas, mostrando uma fração da enorme quantidade de formatos e dimensões dessa parte da vagina. Para melhores referências visuais/explicativas, pesquisem livros sérios sobre o assunto, em bibliotecas (virtuais/físicas) ou livrarias.

Artigo relacionado: Técnicas de aumento peniano: fato ou ilusão?

REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS
  1. http://well.blogs.nytimes.com/2016/04/25/increase-in-teenage-genital-surgery-prompts-guidelines-for-doctors/?smid=tw-nytimes&smtyp=cur&_r=0
  2. http://search.informit.com.au/documentSummary;dn=584781300383080;res=IELHEA
  3. http://pwq.sagepub.com/content/39/2/182.short
  4. http://bmcwomenshealth.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12905-015-0271-5
  5. https://www.researchgate.net/profile/Pedro_Vieira_Baptista/publication/266145898_Intimate_surgery__a_time_to_set_limits/links/54285e160cf2e4ce940c4ccc.pdf
  6. https://asj.oxfordjournals.org/content/36/4/469.full 
  7. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0301211515004078
  8. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/aogs.12660/full
  9. http://bmjopen.bmj.com/content/2/6/e001908.short
  10. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1083318814002113
  11. http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/00224499.2016.1155200
  12. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1740144515001382
  13. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0002937814005808
  14. http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/0092623X.2016.1141820
  15. http://search.informit.com.au/documentSummary;dn=119458534751196;res=IELFSC
  16. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/1471-0528.12578/full