YouTube

Artigos Recentes

Cistos de equinococo (equinococose) na perna de um homem


           Em um caso reportado no periódico The New England Journal of Medicine (1), um homem de 35 anos de idade apresentou-se ao hospital com um histórico de crescente inchaço na sua perna direita (imagem acima à esquerda). Exame físico revelou firmeza na parte inferior da perna sem resposta de dor ao apalpamento. Imagem por ressonância magnética da área revelou múltiplas lesões císticas (imagem acima à direita).

           Após análise médica, a aparência dos cistos mostrou-se consistente com cistos de equinococo, e um teste laboratorial enzima-baseado para anticorpos contra esse verme deu positivo. O paciente foi então tratado com albendazol (fármaco prescrito para tratamento de verminoses, como Ancilostomíase, Ascaridíase, Enterobíase), e infecção com a espécie Echinococcus granulosus foi confirmada após pericistectomia (retirada cirúrgica de todo cisto em uma espécie de enucleação junto a sua cápsula). 


- Continua após o anúncio -


          A equinococose (ou hidatidose) consiste em uma doença parasitária causada pelo estágio larvário do E. multiloculares, E. oligarthrusE. vogeli Equinococcus granulosus. Tem uma distribuição mundial, embora seja mais prevalente na Austrália, Nova Zelândia, Norte de África, Índia, Bacia Mediterrânea e em algumas regiões da América do Sul. Qualquer órgão pode ser afetado, no entanto, 90% das infeções localizam-se no fígado e no pulmão. O rim é atingido em apenas 2% dos casos

           O E. granulosus, produtor de lesões císticas uniloculares, é prevalente em áreas de criação de gado em associação a cães e encontra-se na Austrália, Argentina, Chile, África, Europa Oriental, Oriente Médio, Nova Zelândia e Uruguai. O E. multiloculares, que produz lesões alveolares multiloculadas, em geral de invasão local, encontra-se em regiões árticas e subárticas, inclusive Canadá e Norte da Europa e Ásia. E. vogeli causa hidatidose policística e é encontrado nas Américas Central e do Sul. A equinococose raramente é encontrada nos Estados Unidos. Das espécies envolvidas com a doença, o E. granulosus consiste no mais comum causador da doença. 

          O verme adulto vive no intestino delgado de cães (hospedeiro definitivo) e o cisto hidático é encontrado, principalmente, no fígado e pulmões de ovinos, bovinos, suínos, caprinos, etc. (hospedeiros intermediários). No homem os cistos localizam-se, principalmente, no fígado, pulmões e outros órgãos, não havendo relatos de hidatidose em testículos e olhos. Os ovos eliminados junto às fezes dos cães contaminam o ambiente (pastagens, solo e alimentos, p. ex.), onde se mantêm viáveis por mais de um mês. 



Os hospedeiros intermediários, acidentalmente o homem, ingerem os ovos junto com o alimento. A dissolução do embrióforo, a ativação e liberação do embrião (25 micra) dá-se através do estímulo do suco gástrico. Dessa forma, quando os ovos chegam ao duodeno, a oncosfera é liberada e entra na circulação portal, atingindo os sinusóides hepáticos. Ocasionalmente, atravessam os sinusóides hepáticos (30 micra) e atingem a circulação pulmonar (12 micra) e/ou sistêmica, disseminando-se por outros órgãos, inclusive ossos. A partir daí, desenvolve-se o cisto hidático, forma larval do parasita. O ciclo biológico completa-se quando o cão ingere as vísceras do hospedeiro intermediário e desenvolve em seu intestino a forma adulta do parasita.


REFERÊNCIAS

  1. https://www.nejm.org/image-challenge
  2. DOI: 10.5935/0101-2800.20160017 (Link
  3. https://cdn.publisher.gn1.link/jornaldepneumologia.com.br/pdf/2001_27_4_9_portugues.pdf