YouTube

Artigos Recentes

Grávidas que dormem de costas possuem um risco três vezes maior de um natimorto


Compartilhe o artigo:



          O natimorto é o produto do nascimento de um feto morto. Considera-se feto morto aquele que nasce pesando mais de 500g e que não possui evidência de vida depois de nascer. Não é preciso dizer que esse infeliz infortúnio é uma tragédia para a família. Agora, um importante estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Huddersfield, e publicado hoje no periódico EClinical Medicine (Ref.1), mostrou que mulheres grávidas podem diminuir substancialmente o risco de um natimorto ao dormir de lado, não sobre as costas. No Reino Unido, onde o número de natimortos é de 1 a cada 225 nascimentos (ou 9 natimortos por dia), o achado já foi incorporado na lista de recomendações de saúde do NHS (Sistema Nacional de Saúde) (Ref.2).

- Continua após o anúncio -



          Para a realização do estudo, os pesquisadores analisaram dados de 851 mães que tinham perdido o bebê (no caso, natimortos) e 2257 mulheres que estavam com uma gravidez em curso. As mulheres analisadas representavam um acumulado de dados da Nova Zelândia, do Reino Unido, da Austrália e dos EUA. O principal achado foi que dormir sobre as costas (posição materna de supino) a partir da 28° semana de gravidez aumentava o risco de um natimorto tardio em 2,6 vezes. Esse aumento de risco persistiu mesmo após a consideração de outros co-fatores de risco durante a análise dos dados.

          É a primeira vez  que práticas ligadas ao ato de dormir são claramente e conclusivamente associadas ao risco de um natimorto. Estudos prévios já sugeriam um risco de 2,3-8 vezes maior de natimorto com a posição de supino na hora de dormir, mas sem robustez de dados suficientes para um sólido suporte científico da hipótese. Segundo os pesquisadores, o risco é aumentado com a posição de dormir sobre as costas porque o peso do útero pode reduzir a circulação sanguínea no bebê.




          Seguindo a conclusão do estudo, as mulheres grávidas precisam ser encorajadas a dormirem de lado (direito ou esquerdo). Não foram encontradas diferenças de risco em relação a dormir de lado na direita ou na esquerda. Se todas as mulheres grávidas dormissem de lado, o estudo estimou que 5,8% dos casos de natimorto seriam prevenidos. Caso a grávida acorde de costas, mesmo tendo ido dormir de lado, isso não é motivo de preocupação, segundo os especialistas, mas é necessário que ela sempre volte a dormir de lado. Isso porque a posição na qual a mulher vai primeiro dormir possui a mais longa duração ao longo da noite, comparado com outras posições que eventualmente possam surgir inconscientemente (movimentos involuntários).

- Continua após o anúncio -



   QUAIS FATORES AUMENTAM O RISCO DE NATIMORTO?

          As causas para muitos natimortos ainda permanecem desconhecidas. Algumas mulheres culpam a si mesmas pelo trágico ocorrido, mas frequentemente o natimorto acontece independentemente das coisas que a grávida fez ou deixou de fazer. De forma geral, os contribuidores para o natimorto geralmente caem em uma dessas três categorias:

1. Problemas com o bebê (falhas genéticas, por exemplo);

2. Problemas com a placenta ou com o cordão umbilical (onde a mãe e o bebê trocam oxigênio e nutrientes);

3. Certas condições na mãe (diabetes e/ou hipertensão não controlados, obesidade, entre outros).

          E, além do já explorado 'dormir de supino', temos outros fatores que aumentam os riscos de natimorto - e de outras complicações diversas - durante a gravidez:

- Ser adolescente;
- Ter 35 anos de idade ou mais;
- Não ser casada;
- Fumar cigarros ou outras drogas recreativas, como a maconha (2);
- Possuir múltiplas gravidezes;
- Ter tido uma perda prévia de gravidez.



Artigo recomendado: Depois da relação sexual quanto tempo até engravidar?


REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS
  1. https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2589537019300549?via%3Dihub
  2. https://www.hud.ac.uk/news/2019/april/stillbirth-sleep-position-stacey-huddersfield/
  3. https://www.cdc.gov/ncbddd/stillbirth/facts.html
  4. https://www.cdc.gov/ncbddd/stillbirth/data.html
  5. https://medlineplus.gov/stillbirth.html
  6. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3719843/