YouTube

Artigos Recentes

Enrolar a língua é decidido apenas pela genética?


- Artigo atualizado no dia 23 de dezembro de 2018 -

Compartilhe o artigo:



       Mesmo ainda persistindo em diversas aulas de ciência, a capacidade de enrolar a língua não é inteiramente definida pela genética. E isso já é sabido desde um amplo estudo realizado com gêmeos, em 1953, explorando essa curiosa habilidade anatômica.

        Para início de conversa, estima-se que entre 65% e 81% das pessoas possuem a capacidade de enrolar a língua! O porquê de não vermos muitas delas fazendo isso é que fatores ambientais e de aprendizado influenciam significativamente na questão. Por exemplo, se você pedir uma criança pequena, que tenha a capacidade de enrolar a língua, para fazê-lo, ela, provavelmente, não conseguirá enrolá-la. Depois de um tempo, ela pode acabar aprendendo por conta própria, mas algo comum é ela passar a vida toda não sabendo como fazer isso ou conseguir apenas dobrar timidamente as bordas da língua.

        Em outras palavras, não se pode dizer que enrolar a língua é uma característica inteiramente genética, ou determinada por um único gene e dois alelos. Ela envolve uma maior complexidade de genes (mais do que simples 'recessivos' ou 'dominantes'), fatores ambientais e 'treinamento específico'. Outra evidência conclusiva para desbancar esse mito no ensino de genética é que já foi mostrado que em diversos pares de gêmeos idênticos um dos irmãos não possuem a habilidade de enrolar a língua enquanto o outro a possui, mesmo ambos compartilhando praticamente o mesmo genótipo.

Existem várias formas de se enrolar/dobrar a língua

- Continua após o anúncio -



          Devido à persistência do mito no ensino de Biologia, já foram registrados casos de jovens alunos questionando se eram adotados, já que seus pais conseguiam enrolar a língua e eles não*.
           
----------------
*Lembrando que fenótipos podem não ser expressos nos descendentes mesmo que os alelos em questão sejam de caráter dominante. Um pai e uma mãe podem ter olhos castanhos e o filho não, por exemplo. Tudo dependerá das combinações das variantes genéticas, além de mutações espontâneas.
---------------

#####

        E, por falar em língua, existe outro problema, também devido a vários fatores (1), incluindo genética, que incomoda e confunde bastante gente.

        Língua Fissurada é uma condição fisiológica normal que afeta entre 2 e 5% da população mundial. É caracterizada por profundas fissuras na língua, as quais podem ultrapassar os 6 mm. À medida que a idade avança, as fissuras tendem a se tornar mais acentuadas.

         Não existem sintomas ou prejuízos para a saúde devido às fissuras. Raramente, pessoas que portam essa condição podem experienciar esporádicas sensações de ardência. Porém, devido à natureza das fissuras, restos de comida podem ficar agarradas nelas com facilidade, especialmente se não existir um hábito constante de limpeza bucal, e isso pode fomentar um mau hálito. Para contornar isso, é só melhorar a limpeza mecânica da boca, através da escovação, por exemplo.

Típica língua fissurada

        O mais importante são as pessoas com língua fissurada saberem que essa condição é normal, não precisando se preocuparem.

------------
(1) Não se sabe ao certo as causas de todos os casos de língua fissurada, mas o fator genético é, provavelmente, o principal.
------------


Artigo relacionado: Por que temos dois olhos, dois ouvidos e dois buracos no nariz?


REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS
  1. http://go.galegroup.com/ps/anonymous?id=GALE%7CA380092473&sid=googleScholar&v=2.1&it=r&linkaccess=fulltext&issn=00309923&p=AONE&sw=w&authCount=1&isAnonymousEntry=true
  2. http://jhered.oxfordjournals.org/content/62/2/125.extract
  3. http://europepmc.org/abstract/med/6230562
  4. http://www.jstor.org/stable/29540011?seq=1#page_scan_tab_contents
  5. http://jhered.oxfordjournals.org/content/43/1/24.extract
  6. http://udel.edu/~mcdonald/mythtongueroll.html
  7. http://journals.cambridge.org/action/displayAbstract?fromPage=online&aid=1385176&fileId=S0021932000012244
  8. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15316160
  9. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4592719/
  10. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3166201