YouTube

Artigos Recentes

Suplementos alimentares: basta comprar e consumir?



           Os suplementos alimentares, e produtos afins, vêm ganhando cada vez mais popularidade. O marketing pesado, promessas fantásticas de resultado de uso e garantia de segurança devido ao fato de serem "naturais" fazem com que esses produtos sejam muito procurados pelas pessoas. Porém, por trás de todo esse glamour, os suplementos alimentares podem conter substâncias periculosas de adulteração, impondo os consumidores à graves riscos de saúde.

           Teoricamente, os suplementos alimentares são produtos que concentram certos nutrientes encontrados nos alimentos naturais, como proteínas, carboidratos, óleos essenciais, vitaminas, sais minerais, entre outros. Englobando também ervas e raízes usadas para o consumo alimentar, os suplementos alimentares fazem o que o seu nome sugere: suplementam uma alimentação deficiente. Só nos EUA é estimado que dois terços da população consomem esses produtos, especialmente aqueles voltados para a perda de peso, musculação e estimuladores sexuais. Devido ao fato de estarem na categoria de ´comida´ eles não são alvos de fiscalizações mais rígidas, ao contrário dos medicamentos, e muitos acabam chegando às prateleiras com o conteúdo, no mínimo, suspeito. Para se ter uma ideia, o FDA (Administração de Drogas e Alimentos dos EUA) já encontrou mais de 700 produtos em anos recentes que apresentavam componentes perigosos para a saúde, sem contar os produtos fraudulentos que prometem algo mas não entregam nem perto do prometido.

          Um estudo efetuado pelo NHS ( Instituto Nacional de Saúde dos EUA) estima que cerca de 15,5% dos eventos de toxicidade no fígado em território norte-americano sejam causados por efeitos colaterais de substâncias proibidas em suplementos alimentares (Ref.3). Aqui no Brasil, problemas decorrentes de overdose de cafeína, sibutramina e dimetilamilamina (DMAA) são comuns, principalmente em suplementos de perda de peso, mesmo a legislação sendo bem mais rígida do que no território norte-americano. Novamente, nos EUA, a partir de 2005 várias pessoas começaram a ficar doentes após tomarem um suplemento brasileiro de perda de peso que continha antidepresivos e hormônios da tireoide em sua composição (Ref.6). Já em casos isolados, na Turquia, uma jovem de 17 anos teve que ser atendida na emergência médica sentindo palpitações, ansiedade, insônia e taquicardia após consumir pílulas de emagrecimento da marca La Jiao Shou Shen, as quais possuíam sibutramina como componente (Ref.4). Nos EUA, uma mulher de 33 anos teve falência renal após consumir um suplemento de perda de peso baseado em pólen de abelha da marca Zi Xiu Tang, esta a qual foi uma das centenas barradas pelo FDA (Ref.5). Diversos outros casos e problemas similares poderiam ser citados, demonstrando a seriedade da questão.

        Para aumentar o poder dos suplementos alimentares e tentar cumprir as promessas exageradas feitas pelas propagandas, muitos fabricantes inescrupulosos adicionam drogas não autorizadas pelas agências de saúde nesses produtos. Algumas delas são legais para serem usadas apenas em medicamentos prescritos e outras são completamente proibidas de serem comercializadas por não valerem os riscos. Às vezes também, o produto é feito com tanto descaso, visando apenas o lucro, que impurezas em grande quantidade e/ou muito tóxicas acabam indo para o consumidor. Entre todos esses contaminantes e drogas irregulares, podemos citar:

1. Sibutramina: mais comum em suplementos de emagrecimento, ela é uma substância ilegal. Antes usada para ajudar no tratamento de pessoas obesas, ela foi logo banida quando se descobriu que a mesma aumentava bastante os riscos de problemas cardiovasculares. Quando usada em relativo excesso, pode causar taquicardia, hipertensão, dores fortes de cabeça e tontura.

2. Cafeína: em quantidades baixas e moderadas, não impõe risco algum, sendo liberado para uso em suplementeos alimentares. Porém, muitos produtos acabam recebendo um grande excesso dessa substância para aumentar os seus efeitos termogênicos, algo que prejudicar bastante a saúde.

3. Metais tóxicos, como o mercúrio, podem acabar indo para o produto final por descuido do fabricante.

4. Tadalafila: substância utilizada como medicamento para tratar a disfunção erétil, e age de forma similar ao Viagra. Muito encontrado em suplementos de ervas e raízes.

5. Hormônios esteroides: em suplementos proteicos e outros produtos voltados para a musculação, já foram relatados diversos produtos que continham esteroides anabólicos ( "bombas", baseadas na testosterona) adicionados ilegalmente, com o objetivo de favorecer o crescimento muscular além do que as proteínas e outros ingredientes contidos no produto iriam promover junto aos treinos.

6. Pré-hormonais: substâncias utilizadas como percursores de testosterona no corpo são muitas vezes adicionados nesses produtos e podem também serem vendidas como alternativas "naturais" para aumentar a testosterona no corpo, mas podendo causar sérios efeitos adversos no corpo.

7. Dimetilamilamina (DMAA): uma substância prescrita usada em medicamentos de ajuda ao emagrecimento também é frequentemente adicionada nesses produtos. Dependendo das doses, pode causar dependência, falência hepática e alterações cardíacas. Países como a Austrália e Nova Zelândia já proíbem a substância em seus territórios.

8. Antidepressivos: usados em vários tratamentos, incluindo desordens alimentares, as substâncias usadas como antidepressivos possuem diversos efeitos colaterais, os quais podem ser bem sérios em jovens e se consumidos em grandes doses.

9. Efedrinas: usadas como emagrecedor, esses alcaloides possuem fortes efeitos colaterais, os quais variam em grau conforme a dose. Os mais fracos são insônia, ansiedade, dores de cabeça, pressão alta, batimentos cardíacos acelerados, problemas para urinar, falta de apetite e alucinações. Os mais graves incluem enfartos, ataques cardíacos e forte dependência. Essas substâncias só deveriam ser usadas sob prescrição médica e em casos de extrema necessidade.

10. Clenbuterol: mesmo não sendo um esteroide anabolizante, o clenbuterol possui efeitos anabólicos no crescimento da massa muscular. Isso fez seu uso estourar, tanto na forma pura quanto como agente de adulteração em suplementos alimentares. Usado no tratamento de problemas respiratórios em cavalos, possui diversos efeitos colaterais negativos em humanos e relativas baixas doses podem ser venenosas ao corpo.

         Por causa desses abusos de adulteração, vários especialistas e organizações de saúde pedem que os suplementos alimentares sejam fiscalizados com o mesmo rigor que os medicamentos.  E o problema só tende a aumentar com o explosivo uso da internet para promover esses produtos, estes os quais podem ter sido fabricados sem um mínimo de responsabilidade ou base em evidências científicas. Além disso, os criminosos usam perfis falsos para criarem diversas "testemunhas" que defendem as supostas maravilhas tragas pelo suplemento para a sua saúde e estética. Isso é bem comum nos comentários de sites e vídeos que buscam a venda desses produtos. Seja por promoção na internet, seja como produtos em prateleiras de lojas, atente para frases em suas embalagens e propagandas que podem sugerir fraude e/ou adulteração. Desconfie de suplementos alimentares para a perda de peso, musculação e estimulação sexual que contenham:

1. Anúncios afirmando que são substituentes ou alternativas a medicamentos prescritos;

2. Anúncios afirmando que são alternativas aos esteroides anabolizantes;

3. Especificações apenas em outro idioma, o que dificulta o entendimento do público geral e mostra que possivelmente eles não sofreram análises de órgãos governamentais. A Anvisa deixaria que medicamentos com bula apenas estrangeira entrasse no mercado brasileiro? Não. Suplementos alimentares também deveriam sofrer o mesmo tratamento.

4. Propagandas muito viralizadas na internet, especialmente emails e redes sociais, sem evidências científicas nenhuma de órgãos oficiais do governo ou entidades de saúde. 

5. Anúncios de melhoramentos sexuais de efeitos iniciais muito rápidos, como minutos, ou que tenham longos efeitos de duração (de 24 a 72 horas).

6. Alertas na embalagem de que testes anti-doping darão positivo caso você consuma o produto.

7. Propangandas extremistas do tipo ´rápido e efetivo´, ´cura qualquer coisa´, ´trata doenças´, ´totalmente seguro´ e ´100% natural´.

8. Promessas fora da realidade ou boas demais para serem verdade, como ´perca 10 quilos em 1 semana´.

9. Slogans do tipo ´Resultados garantidos´ ou ´Um novo avanço científico agora chega para você´

         Suplementos alimentares são apenas para suplementar sua dieta, nada mais. Eles não são medicamentos, nem fadas milagrosas. Aliás, não existe suplemento alimentar que promova a perda de peso ou seja um estimulante sexual comprovado. Para emagrecer, é preciso gastar mais calorias do que se ingere, não há segredos. Como fazer isso é um desafio de disciplina, reeducação alimentar e, em casos de exceção, uso de medicamentos específicos sob orientação médica ( pacientes obesos ou que tenham problemas de saúde decorrentes do sobrepeso, onde os benefícios compensem os riscos). E estimulante sexual, você encontrará somente em medicamentos, caso o objetivo seja a disfunção erétil do pênis. Sempre que possível procure a orientação de profissionais da saúde antes de consumir suplementos nutricionais, para uma boa averiguação do produto e uma relação de riscos/benefícios relativos ao seu corpo. Procure também por certificados de garantia de órgãos de fiscalização ou verifique se o produto foi barrado por agências reguladoras. Esse conselho é especialmente importante no caso de mulheres grávidas, ou amamentando, e no caso de crianças e adolescentes. E caso você tenha uma alimentação saudável, bem variada e equilibrada, os suplementos tornam-se desnecessários.

OBSERVAÇÃO: No Brasil, não existe a categoria de “suplementos alimentares”. Aqui no país se trabalha com o conceito de ´alimentos para atletas´ e ´suplementos vitamínicos e ou de minerais´. O uso do termo “suplemento alimentar” na rotulagem de alimentos é proibido. Os alimentos que contêm esta expressão no rótulo estão cometendo uma infração sanitária. E diferente do que ocorre nos EUA, por exemplo, aqui os "suplementos alimentares" precisam passar por exigentes testes de qualidade e segurança para serem lançados no mercado. Nos EUA, por outro lado, um suplemento alimentar entra no mercado, legalmente, livre de inspeções do tipo, sendo que fiscalizações ocorrem posteriormente. Porém, grande parte desses produtos que chegam ao consumidor brasileiro são importados, muitos inclusive entram no país ilegalmente e a fiscalização nacional é bastante deficiente. Com isso, as irregularidades no Brasil são bem comuns e o consumidor precisa ficar atento.

REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS
  1. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/dta.1980/full
  2. http://www.fda.gov/ForConsumers/ConsumerUpdates/ucm246744.htm
  3. http://www.mdpi.com/1422-0067/17/3/331/htm
  4.  https://www.researchgate.net/profile/Gulhan_Kurtoglu/publication/273452096_Herbal_Weight_Loss_Pill_Overdose_Sibutramine_Hidden_in_Pepper_Pill/links/550284860cf231de076eb99f.pdf
  5. http://science.sciencemag.org/content/349/6250/780.short
  6. http://www.sciedupress.com/journal/index.php/crim/article/view/4278
  7. http://www.fda.gov/ForConsumers/ConsumerUpdates/ucm246742.htm
  8. http://archinte.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=1678813
  9. http://asj.oxfordjournals.org/content/32/3/332.abstract
  10. https://www.thieme-connect.com/products/ejournals/abstract/10.1055/s-0035-1545095
  11. https://www.thieme-connect.com/products/ejournals/abstract/10.1055/s-0032-1307480
  12. http://www.annali-iss.eu/article/view/104
  13. http://www.sban.org.br/por_dentro/informativos/142/o-quanto-voce-realmente-sabe-sobre-suplementos-alimentares-dos-aspectos-basicos-a-necessidade-de-regulamentacao
  14. http://www.brasil.gov.br/saude/2012/07/consumo-de-suplemento-alimentar-pode-causar-danos-a-saude-alertam-autoridades
  15. https://nccih.nih.gov/health/tips/childsupplements 
  16. http://onlinelibrary.wiley.com/wol1/doi/10.1002/dta.1728/abstract
  17. http://portal.anvisa.gov.br/informacoes-tecnicas
  18. http://portal.anvisa.gov.br/informacoes-tecnicas13/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/o-que-e-e-para-que-serve-o-suplemento-alimentar-/
  19. http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/SAUDE/469740-ESPECIALISTAS-RESSALTAM-NECESSIDADE-DE-FISCALIZACAO-DOS-SUPLEMENTOS-ALIMENTARES.html