YouTube

Artigos Recentes

Qual espécie marinha parece uma gosma preta?

Figura 1. O predador retratado nos frames de vídeo provavelmente pertence ao gênero Pseudoceros (talvez a espécie P. velutinus ou P. bolool, ambas caracterizadas por uma superfície dorsal totalmente preta).

 
           Recentemente viralizou um vídeo retratando um tipo de "gosma preta" viva atacando e englobando um caranguejo. Apesar de parecer uma forma alienígena saída diretamente de um filme de terror, essa "gosma" é um platelminho marinho da ordem Polycladida. Os vermes policládidos são representados por mais de 800 espécies que vivem em uma variedade de habitats marinhos, incluindo piscinas de marés, rochedos de praias, recifes de corais e mar profundo. Exibindo cores e padrões diversos, esses vermes são divididos em duas subordens: Cotylea - predominantemente possuindo uma ventosa ventral (cotyl) posterior à abertura copulatória das fêmeas - e Acotylea - caracterizada pela ausência do cotyl. Assim como certas planárias e outros platelmintos, alguns policládidos exibem alta capacidade de regeneração corporal; ao contrário de outras ordens de platelmintos, não são parasitas.

- Continua após o anúncio -


         Os policládidos possuem uma faringe dobrada usada para predar sobre outros pequenos invertebrados, como moluscos e crustáceos. O método de alimentação geralmente envolve a eversão da faringe e engolimento da presa inteira, com qualquer vestígio corporal não-assimilado sendo descartado para o exterior da boca. Todos os policládidos são carnívoros, mas vários também estabelecem relações simbióticas com outros animais marinhos - vivendo em íntima associação (ex.: comensalismo) com corais, caranguejos eremitas, equinodermos, vermes, moluscos, entre outros.

Figura 3. Visão dorsal de um policládido da espécie Pseudoceros bolool. Essa espécie habita regiões na Austrália e na Pápula Nova-Guiné, mas já foi reportada nas Ilhas Caribenhas e Oceano Índico. É geralmente encontrada associada a recifes de corais. A superfície dorsal é preto-aveludada e ventralmente a coloração é cinzenta. [Referência: ISSN: 2455-7269]

          Padrões de cores em muitos policládidos parecem cumprir função de alerta, considerando que existem espécies carregando neurotoxinas adquiridas durante alimentação de tunicados e esponjas tóxicas, como a potente tetrodotoxina (TTX) (Ref.6).

Figura 3. Falando no gênero Pseudoceros, algumas espécies de policládidos podem apresentar cores variantes dependendo da região de habitação. Por exemplo, nas fotos acima, temos vários indivíduos com distintos padrões de cores pertencentes a apenas duas espécies: Pseudoceros rawlinsonae (A-I) e Pseudoceros bicolor (J–P). Ref.6

          Esses animais possuem um cérebro limitado e uma limitada capacidade de percepção sensorial do ambiente; exibem estruturas sensíveis a luz (percebem ausência ou presença de luz), mas sem capacidade de processar imagens.


REFERÊNCIAS 

  1. Tsuyuki et al. (2021). Description of a New Species of the Marine Flatworm Prosthiostomum (Platyhelminthes: Polycladida) and its Three Known Congeners from Misaki, Japan, with Inference of Their Phylogenetic Positions within Prosthiostomidae. Zoological Studies, 60: e29. https://doi.org/10.6620%2FZS.2021.60-29
  2. Schadt et al. (2021). Regeneration of the flatworm Prosthiostomum siphunculus (Polycladida, Platyhelminthes). Cell and Tissue Research 383, 1025–1041. https://doi.org/10.1007/s00441-020-03302-w
  3. Dixit et al. (2020). A rare polyclad genus Bulaceros (Platyhelminthes: Polycladida: Pseudocerotidae): new species and new record from Indian coral atolls. Marine Biology Research, Volume 16, Issue 8-9. https://doi.org/10.1080/17451000.2020.1870044
  4. Marian et al. (2019). "Systematic congruence in Polycladida (Platyhelminthes, Rhabditophora): are DNA and morphology telling the same story?" Zoological Journal of the Linnean Society, Volume 186, Issue 4, Pages 865–891. https://doi.org/10.1093/zoolinnean/zlz007
  5. McNab et al. (2021). Natural Products in Polyclad Flatworms. Marine Drugs 19(2), 47. https://doi.org/10.3390/md19020047
  6. Litvaitis et al. (2009). When names are wrong and colours deceive: unravelling the Pseudoceros bicolor species complex (Turbellaria: Polycladida). Journal of Natural History, Volume 44, Issue 13-14. https://doi.org/10.1080/00222930903537074