YouTube

Artigos Recentes

Um quarto de todas as vítimas do Holocausto foram assassinadas em apenas três meses


Compartilhe o artigo:



          Um estudo publicado esta semana na Science Advances (Ref.1) mostrou que a maioria das mortes durante a maior campanha única do Holocausto, chamada Operação Reinhard, ocorreu durante um período de apenas três meses. Além de revelar uma grande subestimação dessa operação, o novo estudo mostrou o quão eficientes eram os campos Nazistas de morte e o processo sistemático pelo qual as comunidades Judias foram aniquiladas.

- Continua após o anúncio -



   OPERAÇÃO REINHARD

          O Holocausto, nome dado à campanha Nazi-Germânica de aniquilação dos Judeus Europeus durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), é, sem sombra de dúvidas, um dos mais terríveis e destrutíveis eventos na história da civilização humana. É estimado que entre 5,4 milhões e 5,8 milhões de Judeus foram assassinados no Holocausto, a maioria nos 4 anos de extermínios em massa de 1941-1945.

          Em vários períodos ao longo da guerra, os Nazistas ativaram grandes campos de extermínio e controlaram mais de 40 mil guetos (bairros onde a maioria dos seus habitantes pertencem a uma mesma minoria étnica) Judeus e campos de concentração ao longo da Europa, com o primeiro campo do tipo - Dachau - sendo aberto em 1933. Todas essas instalações foram organizadas para implementar a visão do líder Nazista do que seria a "Solução Final para a questão Judia".


          Durante a campanha Nazi-Germânica de erradicação dos Judeus, uma grande porção das mortes do Holocausto ocorreram durante a Operação Reinhard, a qual durou de Março de 1942 até novembro de 1943, englobando um total de 21 meses. Essa operação empregou três campos de extermínios principais - Belzec, Sobibor e Treblinka - e visou a eliminação de todos os Judeus na parte da Polônia ocupada pela Alemanha Nazista - região conhecida como Governo Geral (GC). Esses três campos foram marcados por uma carnificina humana em escala industrial com a ajuda de tecnologias de câmaras de gás tóxico (Holocausto via Gás). Além das câmaras de gás, tiroteios amplamente disseminados atuavam em paralelo (Holocausto via Balas). As ordens de Heinrich Himmler - um dos principais líderes do Partido Nazista e Comandante Militar da SS - em 19 de julho de 1942 era para que até o final de Dezembro de 1942, todos os Judeus dentro do GC, com algumas poucas exceções, fossem eliminados.




          No entanto, registros detalhados das mortes da Operação Reinhard foram em sua maioria destruídos pelos Nazistas, tornando difícil investigar o quão rápido o genocídio foi carregado. Os Nazistas tratavam a operação com elevado nível de segredo porque temiam futuras incriminações Sabe-se que a Ferrovia Nacional Alemã, Deutsche Reichsbahn, realizou um crucial papel no transporte de milhões de vítimas Judias para os campos de extermínio, e os "trens especiais" que transportavam as vítimas eram mantidos em estritas programações de horários para atenderem a eficiência de extermínio exigida por Himmler. De acordo com reportes recuperados da época, em 15 de agosto de 1942 o Führer ordenou que todas as ações da operação fossem aceleradas ao máximo.

          O plano de Hitler para a "Solução Final" confiava em uma cuidadosa mobilização e programação para eficientemente transportar milhões de vítimas, frequentemente comunidades Judias inteiras, ao longo das redes de linhas ferroviárias Europeias em trens de carga para os campos de extermínio, onde as vítimas eram rapidamente assassinadas. A complexa logística desse esforço foi então resolvida através do Reichsbhan, o qual empregava quase 1 milhão de empregados civis e cerca de 900 mil trabalhadores, os quais foram recrutados para o serviço e conscientemente participaram da campanha de extermínio. Alguns historiadores argumentam que a IBM Corporation também participou dessas redes de transporte para assegurar que os trens especiais de Hitler corressem no horário, tendo inclusive fornecido um sistema de cartão perfurado para otimizar a operação.







          O Professor Yitzhak Arad, um historiador Israelita especializado no Holocausto, reuniu dados do Reichsban em 480 deportações de trens de 393 cidades e guetos Polonesas aos três principais campos de extermínio  - Belzec, Sobibor e Treblinka - durante a Operação Reinhard e estimou o número de vítimas em cada transporte. Ele estimou que 515 mil Judeus morreram no campo de Belzec, 126 mil no campo Sobibor, e 897 mil no campo Treblinka, do total de mortos já previamente estabelecido para a Operação Reinhard de 1,7 milhões de Judeus.

- Continua após o anúncio -



   PULSO DA MORTE

          Nesse sentido, o pesquisador Australiano Lewi Stone, resolveu analisar os dados compilados por Arad e estimar a evolução e taxa de mortes ao longo da Operação Reinhard. Surpreendentemente, Stone estimou que a maior parte das mortes ocorreram em apenas três meses: agosto, setembro e outubro de 1942. Isso corresponde a apenas 14% dos 21 meses que totalizaram a operação.

          Das 1,7 milhões de vítimas assassinadas, 1,32 milhões (78%) das mortes ocorreram durante esses três meses, ou cerca de 15 mil assassinatos por dia, todos os dias. Desse total, 292 mil mortes foram realizadas através de armas de fogo, e o restante via câmaras de gás ou falecimentos durante os desumanos transportes ferroviários. O mais assustador é pensar que aproximadamente 25% de todas as vítimas do Holocausto foram assassinadas durante esse curto período. Essa taxa absurda de assassinatos é 83% mais alta do que a maior estimativa de mortes associada ao genocídio de Ruanda, considerado até o momento a mais intensa campanha de extermínio do século XX.




          Segundo o autor do estudo, publicado esta semana no periódico Science Advances, essa super-intensa taxa de assassinatos durante a Operação Reinhard poderia ter continuado caso houvesse mais vítimas Polonesas vivendo sobre o território da Polônia ocupado pelos Nazistas. Essencialmente, a sombria máquina de morte desacelerou bruscamente porque não havia mais ninguém para matar.

          Ainda de acordo com o estudo, na primeira onda de deportações de trem para Treblinka, quase todos os residentes do gueto de Warsaw foram transportados ao longo de um período de 7 semanas começando em 22 de julho de 1942. Os primeiros trens eram compostos principalmente de crianças, pessoas doentes, e idosos os quais eram mais fáceis de lidar. A cada dia, um trem de 50 vagões de carga na média fazia a jornada, com cada um dos vagões carregando mais de 100 pessoas, todas amontoadas e sob condições desumanas. Muitos morriam durante a viagem. Cada trem transportava de Warsaw cerca de 5000-6000 vítimas, diariamente, de 22 de julho até 12 de setembro. Durante o período de 28 de agosto a 3 de setembro, houve uma pausa nas deportações de trem devido à inabilidade do sistema Nazista em lidar com a enorme massa de corpos que foram se acumulando em Treblinka, a qual foi exacerbada por falhas temporárias nas câmaras de gás e uma mudança de Comandante do campo.

          Em 12 de setembro de 1942, no mínimo 254 mil vítimas apenas do gueto de Warsaw tinham sido transportadas, a maioria sendo rapidamente assassinada nas câmaras de gás.

          Quando a campanha de extermínio na Polônia atingiu seu objetivo, a agenda Nazista foi então revisada para transportar e assassinar as populações Judias remanescentes na Europa para as instalações de extermínio de Auschwitz-Birkenau. A rede de campos de concentração de Auschwitz - localizada no sul da Polônia - estava operando em uma base contínua desde 1941, mas passou a sustentar uma alta taxa de assassinatos em 1944, especialmente com deportações de Judeus vindas da Hungria.

- Continua após o anúncio -



          Os achados do estudo corroboram o testemunho dado em 1944 por um dos dois únicos sobreviventes do campo de extermínio de Belzec, Rudolf Reder (Ref.4):

"Aquele foi um longo período de intenso assassinato de Judeus. Os prisioneiros me diziam que o número de 'carregamentos' enviados para Belzec durante setembro, outubro e novembro de 1942 foi muito maior do que os 'carregamentos' enviados anteriormente. Durante esses três meses o maior número de Judeus foram assassinados..." "Durante aqueles três meses eu vi todos os dias um 'carregamento' de 50 vagões com 100 prisioneiros em cada vagão, ou seja, 5000 vítimas enviadas para Belzec. Um segundo 'carregamento' idêntico chegava a cada noite. Esses prisioneiros eram mantidos em vagões sufocantes sem comida ou água até 6:00 de cada manhã. Um mínimo de 10 mil vítimas eram assassinadas a cada 24 horas. Existiam dias em que três 'carregamentos' chegavam. Existiam dias em que mais de 50 vagões eram empregados em cada 'carregamento'. Os 'carregamentos' vinham sete dias por semana."

          Um pesadelo similar foi descrito por uma prisioneiro que conseguiu escapar de Treblinka, no mesmo período, Aron Gelberd. Após escapar do campo de extermínio, onde ficou preso em outubro de 1942 por 19 dias, Gelberd escreveu que ele testemunhava diariamente a chegada de três ou quatro trens de carga, com carregamentos humanos extras às vezes chegando à noite (Ref.5).


REFERÊNCIAS 
  1. http://advances.sciencemag.org/content/5/1/eaau7292
  2. https://www.iwm.org.uk/history/operation-barbarossa-and-germanys-failure-in-the-soviet-union
  3. https://encyclopedia.ushmm.org/content/en/article/operation-reinhard-einsatz-reinhard
  4. https://www.pri.org/stories/2014-04-07/100-days-hell-rwandas-1994-genocide-photos
  5. Y. Arad, Belzec, Sobibor, Treblinka—The Operation Reinhard Death Camps (Indiana Univ. Press, 1987)
  6. R. Reder, Belzec. Testimony of Rudolf Reder. The Central Committee responsible for historical records of Jewish people in the Cracow area of Poland. Translated by Gluck, D. (1944)
  7. https://memoirs.azrielifoundation.org/articles-and-excerpts/surviving-operation-reinhard