YouTube

Artigos Recentes

Vidro: o segundo maior assassino de pássaros do mundo

     
- Artigo atualizado no dia 20 de fevereiro de 2018 -

Compartilhe o artigo:



           Não é novidade que a nossa fauna sofre bastante nas nossas mãos. E nem mesmo os céus estão livres da nossa presença. Nossa sociedade é uma grande exterminadora de seres alados, especialmente pássaros, via caça, proliferação descontrolada de gatos, redes elétricas, entre outros. Mas a segunda maior via de destruição antropogênica de pássaros do mundo é algo totalmente inesperado e desconhecido por muitos: através dos vidros nas nossas janelas! Só nos EUA, todos os anos, centenas e centenas de milhões de pássaros morrem ao trombarem com violência contra as casas e prédios devido, quase que exclusivamente, às estruturas de vidro.


   RASTRO DE DESTRUIÇÃO

       Já de início, é válido listar as principais causas antropogênicas de morte de pássaros ao redor do mundo. Aqui, serão apresentados dados do território norte-americano, onde uma boa quantidade de estudos de alta qualidade foram realizados:

1.  As linhas da rede elétrica  matam entre 12 e 64 milhões de pássaros todos os anos, através de violentos choques (8-57 milhões) e colisões (0,9-11,6 milhões). No mundo todo, estima-se que 1 bilhão de pássaros sejam mortos dessa forma anualmente;

2. O próximo da lista sangrenta são os pesticidas, com mortes anuais ao redor de 70 milhões;

3. Em seguida, os automóveis, no meio das estradas, interceptam fatalmente entre 60 e 80 milhões anualmente;

4. Já as torres iluminadas de comunicação, ao confundir e cegar essas aves, levam estas à colisões mortais, matando entre 40 e 50 milhões todos os anos.

5. As turbinas eólicas, apesar de nos fornecerem energia sustentável e limpa, também entram na lista de carnificina, com um número anual de mortes estimado entre 100 e 300 mil (1). 

7. Por fim, claro, temos os gatos domésticos e outros felinos "de estimação" que as pessoas introduziram em enormes quantidades no meio urbano e rural, gerando um grande desequilíbrio ecológico. Entre 1 bilhão e 4 bilhões de pássaros são mortos todos os anos nos EUA por esses predadores.

        Mas, a lista não acaba aí. Apesar de muitos não terem ideia que isso seja uma grave causa de mortalidade dessas aves, as colisões com as edificações humanas - casas e prédios - são a segunda maior causa de morte de pássaros do mundo, particularmente por causa das estruturas de vidro, como janelas. Só nos EUA, colisões com casas e prédios matam entre 365 e 988 milhões de pássaros todos os anos!

As janelas de vidro dos prédios e casas são armadilhas mortais para os pássaros

- Continua após o anúncio -



   VIDROS: INIMIGOS MORTAIS DOS PÁSSAROS
 
         Os pássaros geralmente não conseguem ver vidros transparentes ou reflexivos. A refletividade e transparência do vidro criam uma letal ilusão de espaço aéreo livre para essas aves, estas as quais, nesse sentido, não veem que ali existe uma barreira. Durante o período diurno do dia, os pássaros na grande maioria das vezes colidem com os vidros das janelas ou porque eles acabam vendo o reflexo da paisagem ali (céu, nuvens, vegetação, etc.) e acabam continuando o percurso, ou porque não conseguem ver que existe algo ali (transparência), voando direto e em alta velocidade através do vidro por motivos diversos (para passar para o outro lado, para comer algo que parece apetitoso, por ver um habitat - plantas ornamentais dentro do prédio ou da casa -, etc).

          A maioria das colisões tanto com edificações residenciais e urbanas acontecem durante o período diurno, quando os pássaros estão voando ao redor e cobrindo grandes áreas em busca de alimento. À noite, em severas condições climáticas durante o verão e migrações dos pássaros no outono, os pássaros podem ser atraídos pelas edificações iluminadas, resultando em colisões, aprisionamentos e exaustão, levando à mortes em massa.

         E apesar das pessoas tenderem a achar que as colisões dos pássaros com os vidros são um fenômeno urbano, com a maior parte dos pássaros supostamente mortos em prédios altos e espelhados, a realidade é bem outra. Nos EUA, 56% da mortalidade ocorre em edificações diversas de baixa altura (de um a três andares), 44% em residências urbanas e rurais, e apenas menos do que 1% ocorre em grandes construções. No Canadá, é estimado que 25 milhões de pássaros morram todos os anos nessas colisões, com 90% delas provavelmente envolvendo residências comuns (casas), cerca de 10% envolvendo prédios de baixa altura e cerca de 1% envolvendo prédios altos. 

         Os pássaros não evoluíram para desviarem dessas barreiras artificiais, especialmente considerando que elas foram erguidas em um relativo curto período de tempo pelas atividades humanas.  Na natureza não existem estruturas assim no meio das rotas de voo. Com isso, muitos pássaros acabam perdendo a vida, e sob o descaso não intencional por grande parte da população. A maioria das pessoas não percebem o ocorrido por pensarem que as batidas são frutos do vento ou qualquer outra coisa. E elas acabam não vendo os pássaros mortos porque algum animal ou serviço de limpeza acaba coletando-os antes. Nisso, acaba havendo pouca mobilização da sociedade para tentar amenizar o problema por simples e pura falta de conhecimento.         

Uma triste, mas comum cena: marcas características de uma colisão de um pássaro com esta janela

- Continua após o anúncio -



      MEDIDAS DE PREVENÇÃO 

         Existe uma grande variedade de designs de vidros e janelas que podem ser integradas na estrutura das edificações com o objetivo de reduzir a mortalidade dos pássaros por colisões. Essas opções de arquitetura visam criar sinais visuais que ajudam a orientar os pássaros durante o voo, fazendo-os detectarem e evitarem o vidro. Pode-se usar vários artifícios, como colocar listras e filmes nas janelas, ou mesmo deixar estruturas divisórias nesses vidros mais destacadas. Ainda não existem estudos científicos mostrando qual o design visual mais eficaz, mas uma boa regra recomendada pelos especialistas é a 2” X 4”, ou seja, criar listras horizontais ou verticais com uma distância entre elas de 2 polegadas (cerca de 5 cm) no caso das horizontais  e de 4 polegadas (cerca de 10 cm) no caso das verticais, como mostrado na imagem abaixo. Isso serve para alertar os pássaros que eles não cabem ali (apesar de aves menores, como os beija-flores, ficarem desprotegidas) e não tampa muito o vidro.  Existem também opções mais caras, como janelas que refletem padrões na faixa do ultravioleta (pássaros conseguem ver no UV, diferente de nós).



        Para proteger os pássaros com maior eficiência de bater em vidros de prédios, turbinas de vento e outras estruturas, pesquisadores também mostraram recentemente, em um estudo publicado na American Association for the Advancement of Sciences (AAAS) (Ref.13), que a melhor estratégia é unir sinais visuais com sinais sonoros para resolver o problema. Treinando 16 mandarins (Taeniopygia guttata) a voar através de um corredor do tamanho de ônibus - o qual possuía estruturas seguras (redes) de impacto - os pesquisadores mostraram que quando sinais sonoros de alerta eram executados junto com os sinais visuais, os pássaros diminuíam a velocidade por um adicional de 20% quando comparado somente com os sinais visuais. Aliás, quando ouviam o som especial de alerta, os pássaros já adotavam uma postura defensiva de voo.
     

- Continua após o anúncio -



    CONCLUSÃO

          O pior de toda essa carnificina que estamos gerando é que não existe discriminação entre os pássaros que morrem nessas colisões com os vidros. Tanto espécies abundantes quanto espécies ameaçadas de extinção são mortas da mesma maneira, o que representa uma tragédia para a diversidade da nossa fauna. Uma maior conscientização do público é fundamental para resolver esse grave problema. E todos podem ajudar, mesmo com medidas simples e baratas.


(1) A exemplo do caso do vidro, esses animais não estão acostumados com essas gigantescas estruturas, e suas pás giratórias, no meio do caminho. O que muitos podem estranhar é como os pássaros (e também morcegos! Morcegos em risco na América!) acabam sendo atingidos por pás tão 'lentas'. Por causa do enorme tamanho dessas pás, parecesse que elas estão girando lentamente quando vistas em vídeos ou de longe. Mas a maioria ultrapassa velocidades tangenciais, nas pontas das pás, de 300 km/h! Um pássaro passando entre elas não teria muitas chances. Isso é pior ainda para as aves de rapina (as mais prejudicadas pelas turbinas), pois elas tendem a voar olhando fixamente para baixo, na busca de presas, fato que distraí bastante elas de uma repentina pá gigante surgindo do nada. Apesar de trazerem grandes benefícios, especialmente na área de sustentabilidade, o crescimento exponencial de turbinas eólicas nos últimos anos, principalmente nos EUA e na Europa, pode significar um problema sério para os pássaros no futuro, caso não surja uma solução para o problema.

As turbinas de vento são muito maiores do que imaginamos; sua altura alcança os 100 metros e, cada pá, chega a ter mais de 40 metros! A velocidade tangencial nas pontas das pás podem facilmente passar um carro de Fórmula 1





Compartilhe o artigo:





(1) REFERÊNCIAS
  1. http://www.fws.gov/birds/bird-enthusiasts/threats-to-birds.php
  2. https://www.fws.gov/birds/bird-enthusiasts/threats-to-birds/collisions/buildings-and-glass.php
  3. http://www.ace-eco.org/vol8/iss2/art6/
  4. https://www.fws.gov/migratorybirds/pdf/management/reducingbirdcollisionswithbuildings.pdf
  5. http://www.sibleyguides.com/conservation/causes-of-bird-mortality/
  6. http://www.muhlenberg.edu/media/contentassets/images/academics/biology/biology/faculty/klem/aco/documents/BirdObserver2006.pdf
  7. http://www.jstor.org/stable/4513511?seq=1#page_scan_tab_contents
  8. http://www.jstor.org/stable/4513512?seq=1#page_scan_tab_contents
  9. https://peerj.com/articles/621/
  10. https://www.researchgate.net/profile/Craig_Machtans/publication/260163261_A_First_Estimate_for_Canada_of_the_Number_of_Birds_Killed_by_Colliding_with_Building_Windows/links/0deec52fd0ced536c0000000.pdf
  11. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4081594/
  12. https://www.fws.gov/migratorybirds/pdf/management/lossetal2014buildingcollisions.pdf
  13. https://aaas.confex.com/aaas/2018/meetingapp.cgi/Paper/20750