YouTube

Artigos Recentes

O tumor cerebral que transformou a religião de uma mulher em algo demoníaco


Compartilhe o artigo:



         Nós nem sempre percebemos o mundo como o vemos ou ouvimos, e diferentes estímulos - como visuais e auditivos - quando combinados ou não podem induzir alucinações até em pessoas saudáveis. E algumas vezes essas distorções da realidade podem surgir da forma mais inesperada e maligna. Na Suíça, o recente e assustador caso de uma paciente foi reportado (Ref.1), a qual apresentava sintomas de psicose que incluíam auto-mutilações severas religiosamente determinadas, alucinações auditivas verbais e a realização de rituais. Vozes supostamente de Deus a dominavam e ordenavam que ela fizesse terríveis atos. E o mais curioso: não existiam sinais de psicose na paciente.





   ALUCINAÇÕES AUDITIVAS VERBAIS

        Alucinações auditivas verbais (AAV) - o popular 'ouvir vozes' - ocorrem comumente em transtornos psicóticos, mas também podem ser disparadas como sintomas de outras condições e até mesmo em pessoas saudáveis. Existem várias hipóteses sobre a AAV e muitas delas convergem, com estudos utilizando imagens por ressonância magnética sugerindo que as redes neurais de linguagem, audição e memória são de particular relevância para o problema. Estima-se que entre pessoas sem psicoses, as AAV afetem cerca de 5-10% da população mundial com uma intensidade minimamente significativa.

        Na década de 1980, pesquisadores Norte-Americanos da Universidade de Yale, realizaram um experimento onde eram mostradas imagens pareadas com um som de forma repetida para vários participantes. Quando os cientistas paravam de tocar os sons específicos mas continuavam mostrando as imagens para os mesmos participantes, estes continuavam ouvindo o som já associado. Uma similar alucinação auditiva não-verbal ocorre frequentemente com as pessoas em geral no dia-a-dia: quando você acha que ouviu seu celular tocando ou vibrando mesmo ele estando desligado, ou seja, você está esperando tanto tal som que seu cérebro acaba ouvindo o som inexistente.

        Um estudo recente, publicado na Science (Ref.2), conseguiu resultados promissores para tentar entender como essas alucinações ocorrem e como o cérebro se comporta durante o fenômeno. Para isso, os pesquisadores decidiram recriar uma versão do experimento de 1980 em quatro diferentes grupos de participantes: pessoas saudáveis, pessoas com psicoses que não ouviam vozes, pessoas com esquizofrenia (um subtipo de psicose) que ouviam vozes, e pessoas que regularmente ouviam vozes mas não achava o fenômeno perturbador (como pessoas que se auto-intitulam com "poderes mentais" - ex.: ouvir vozes do outro mundo). Nesse sentido, os participantes foram treinados a associarem uma imagem com um som de 1 kHz e de 1 segundo de duração, este o qual era também variado em termos de intensidade ou mesmo desligados. Sempre que viam a imagem e ouviam o som, os participantes tinham que apertar um botão, e orientados a pressioná-lo por um tempo crescente que correspondesse ao grau de confiança quanto à existência do som. Nesse momento, os pesquisadores registravam a atividade cerebral deles usando ressonância magnética.



         Antes da parte experimental, os cientistas responsáveis pelo novo estudo apostavam na hipótese de que as pessoas que já ouviam vozes com frequência seriam mais prováveis de "acreditar" nas alucinações auditivas. E foi isso exatamente o que eles encontraram: tanto os esquizofrênicos quanto os auto-intitulados para-normais eram quase cinco vezes mais prováveis de dizer que eles ouviram o som não existente do que as pessoas saudáveis, além de serem cerca de 28% mais confiantes de que eles ouviram o som inexistente. Ambos os grupos também mostraram uma atividade neuronal anormal em várias regiões do cérebro responsáveis por monitorar nossas representações internas da realidade. Notavelmente, quanto mais severa a alucinação de uma pessoa era, menos atividade era expressada no cerebelo - um nódulo enrugado na parte de trás do cérebro. O cerebelo participa de um papel crítico no planejamento e coordenação de movimentos futuros, um processo que requer constantes atualizações sobre as informações do ambiente externo.

          Em outras palavras, os achados do novo estudo confirmam que no processo de percepção do mundo as nossas ideias e crenças podem facilmente sobrepujar nossos sentidos. Nesse sentido, o cérebro normal consegue prevenir constantes alucinações de ocorrerem ao estar constantemente questionando suas próprias expectativas passadas e crenças. Além disso, sugere que o cerebelo é um região cerebral chave na prevenção dessas distorções sensoriais.


   VOZES MORTAIS

        Em outubro de 2015, na Suíça, uma mulher de 48 anos de idade sem qualquer histórico psiquiátrico significativo deu entrada no serviço psiquiátrico de emergência do Hospital de Psiquiatria da Universidade de Bern. Ela apresentava AAV e graves tentativas de suicídio ao se auto-mutilar com múltiplas facadas no tórax, as quais chegavam a ter 7 cm de profundidade. Segundo a paciente, ela havia realizado as mutilações com o objetivo de completar rituais religiosos orientados por 'vozes divinas', pelo comando de Deus. Com medo de morrer, finalmente procurou ajuda.

        De acordo com a paciente, as vozes primeiro surgiram em dezembro de 2012 e foram consideradas frutos de um 'chamado superior e abençoado'. Indo ainda mais fundo no seu passado, parece que ela começou a testemunhar episódios de grande interesse e devoção espiritual já aos 13 anos de idade, os quais recorreram estranhamente nas idades de 23, 32 e 41 anos. Durante esses episódios periódicos, ela chegava a se juntar às 'Testemunhas de Jeová' por 1-2 anos, para depois abandoná-los devido à uma progressiva perda de religiosidade, apesar de continuar expressando uma maior devoção à espiritualidade do que a média da população.

         Ao chegar no hospital, a paciente mostrou ter uma síndrome psicótica de grande ilusão religiosa, extensiva tensão e uma distinta sensação de estar abençoada. Porém, ela não dava sinais clínicos de nenhuma psicopatia, como a esquizofrenia. Ela parecia normal, exceto quanto às alucinações auditivas. As vozes em sua cabeça eram frequentes - mais de 1 por minuto -, e ocorriam de forma contínua , sendo caracterizadas por uma fala normal e divididas em dois diferentes discursos divinos agradáveis e persistentes, ocasionalmente durando por horas. As vozes eram tanto imperativas ou em formato de diálogo com a paciente, e geralmente possuíam conteúdo religioso (ex.: "Em nome de Jeová, ali está o irmão Agatão")



        Usando técnicas de imagem por ressonância magnética, os médicos inesperadamente identificaram um glioma - tumor de células gliais - no cérebro, na região póstero-lateral do tálamo expandindo para o membro posterior da cápsula interna e o aspecto posterior do putâmen. O tumor tinha o formato de uma lesão ovoide, existindo também a pequena possibilidade de ser uma má-formação cavernosa. Um posterior tratamento com psico-fármacos foi realizado, gerando uma melhora no quadro geral. O tumor, em si, não foi tratado, já que ele não mostrava sinais de crescimento mesmo após 3 meses de observação clínica.

Imagens por ressonância magnética da paciente

        Os achados sugerem que a rede neural do tálamo pode ter um papel importante no desenvolvimento dos quadros de psicose e/ou AAV, além de também reforçar que crenças anteriores tornam as AAV ainda mais reais. Interessantemente, como os surtos de grande devoção religiosa eram periódicos e separados por um intervalo regular em torno de 10 anos, isso sugere que um super-lento crescimento do tumor estava desencadeando esses sintomas, ao alterar as estruturas neurais da região onde estava localizado e fazendo também que o cérebro respondesse ao 'ataque' se auto-organizando - plasticidade neural. Isso duraria semanas ou meses. Após todo esse processo, os sintomas diminuiriam, até o próximo ciclo de crescimento-reparação. Isso teria se seguido por décadas, até culminar nos graves sintomas de AAV que gerou as vozes de Deus comandando os rituais e auto-mutilação da paciente.

          Hoje a paciente ainda mantém sua religiosidade, mas as vozes de comando não mais a perseguem. Com um emprego estável agora e aprendendo a conviver com o tumor, ela se sente aliviada em saber que se as mortais vozes surgirem novamente, basta procurar a ajuda dos médicos.


   CONCLUSÃO

         O cérebro ainda guarda muitos mistérios, especialmente no campo das alucinações e das psicoses. O caso acima descrito da paciente com perigosas vozes alucinadas vem também para alertar as pessoas sobre tais manifestações da mente. Dependendo das crenças pessoais do indivíduo e grau educacional, alucinações auditivas e visuais podem à primeira vista parecerem algo sobrenatural ou divino, e gerar muitas vezes tristes consequências, sendo que possuíam uma explicação médica. Se você está experienciando alucinações auditivas frequentes, procure um médico, não tente primeiro procurar significados sobrenaturais. Outros casos de 'hiper-religiosidade' fomentados por um tumor cerebral já foram reportados na literatura científica (Ref.6), apesar de nenhum conhecido ser tão curioso quanto o explorado por este artigo.

Artigo recomendado: O que é a aterrorizante Paralisia do Sono?


REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS
  1. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fpsyt.2017.00237/full
  2. http://science.sciencemag.org/content/357/6351/596
  3. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5240789/
  4. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21574793
  5. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24021224
  6. https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/13554794.2016.1265985