YouTube

Artigos Recentes

Mitos e Correções Históricas



          Lidar com a História é algo bem trabalhoso porque, diferente dos dias atuais, transmitir e armazenar o conhecimento nem sempre foi fácil, chegando em situações onde apenas especulações são possíveis. Assim, muitos fatos ficam omissos ou acabam sendo alterados. E muitas dessas alterações seguiam uma máxima que pode ser adaptada do famoso filme ´O Homem que Matou o Facínora´: "Se a versão é melhor do que a verdade, publique-se a versão!" Mesmo nos dias de hoje, a verdade muitas vezes pode ser alterada ou escondida obedecendo a interesses privados. Resumindo, a História é cheia de mitos e meias-verdades.

          Portanto, começarei a postar uma série conjunta de pequenos textos reunindo vários mitos  tidos como verdade por muitos mas que estudos mais recentes ou publicações históricas mais confiáveis mostram serem frutos da imaginação ou especulação errônea. Bem, então vamos aos primeiros:

          1. Polegar e Gladiadores



          Praticamente todo mundo assume que o gesto na Roma Antiga de colocar o polegar para baixo, com o resto do punho fechado, significa apenas uma coisa: todos queriam ver o gladiador matar o outro derrotado. E se o polegar fosse para cima, é assumido que a plateia queria poupar esse gladiador. Mas apesar desse clássico pensamento permear a imaginação de todos quando a visão do Coliseu vem à cabeça, na literatura histórica não existe confirmação de isso seja, necessariamente, uma verdade.
 
           Toda essa história do polegar para cima e para baixo nas arenas dos gladiadores veio da interpretação da frase ´pollice verso´ ( ou ´verso pollice´), algo do latim que significa ´com um virar do polegar´. Mas a precisa descrição do gesto feito com o polegar no contexto das lutas ainda é um mistério. Muitos historiadores dizem que o gesto pode compreender polegar para cima, para baixo, horizontalmente, escondido atrás das mãos, entre outros, para descrever positivas ou negativas opiniões. Aliás, alguns especialistas dizem que a crença popular pode até estar invertendo os significados: dedo para cima pode significar ´morte´ e dedo para baixo ´vida´. (Ref.1 e 2)  


          2. Velho Oeste e Violência


       
            Contrário à crença popular, o Velho Oeste nos EUA, durante o século XIX, não era um lugar assombrosamente violento como normalmente ele é retratado nos filmes. A ideia de que tudo era resolvido no tiro e que quase nenhum tipo de propriedade privada não era respeitada é pura distorção da realidade. Na verdade, os imigrantes europeus, nessa época, até se davam bem com os indígenas e a sociedade chegava a ser até menos violenta do que ela é hoje no território norte-americano. Quem realmente começou a quebrar essa paz, após meados do século XIX, foi o governo, com suas políticas de expansão das terras, as quais promoverem inevitáveis conflitos com os nativos e massacres destes últimos. A sociedade do Velho Oeste, em si, era , relativamente, pacífica...:) (Ref.3)


          3. Independência do Brasil e Riacho Ipiranga



          O quadro acima, sem sombra de dúvidas, é o retrato mais popular e estimado da nossa Proclamação de Independência. Batizado de ´Independência ou Morte´, ele, supostamente, captura o momento em que o grito de mesmo nome foi dado às margens do Ipiranga, em um símbolo de libertação do domínio de Portugal. Bem, mas como todos sabem, a História é sempre pintada com floreios muitas vezes exagerados e suspeitos.

          Para começar, esse quadro foi pintado apenas no ano de 1888, em Florença, na Itália, pelo pintor Pedro Américo e como uma encomenda da Corte. O cara que pintou nem tinha nascido em 1822 (ano da Proclamação)! Ou seja, tudo ali foi fruto da imaginação do pintor, em termos de imagem, orientado por seus estudos sobre o evento e encomendadores. A Casa do Grito, por exemplo, pode ser vista na obra (uma casa no canto direito, ao fundo), mas a mesma só foi construída muito tempo depois! Ela servia de pouso de descanso para tropas no ´Caminho do Mar´, estrada que ligava São Paulo a Santos. Os belos e poderosos cavalos, na verdade, eram provavelmente mulas, estas as quais aguentam melhor o percurso seguido pela comitiva. E falando na comitiva, é certo que ela não era tão grande como representado no quadro, com o Dom Pedro provavelmente tendo entre 3 e 4 soldados o acompanhando, todos em trajes muito mais modestos do que os representados na obra. E apesar do quadro e do Hino Nacional sugerirem que tudo ocorreu às margens do Ipiranga, o grito foi dado no alto de uma colina próximo ao riacho, onde a tropa da cavalaria presenciava uma caganeira violenta do Príncipe Dom Pedro...:D

           O quadro possui 4,15 metros de altura e 7,6 metros de comprimento e se encontra no Museu Paulista da USP, em São Paulo. (Ref.4,5 e 6)


            4. Cores das Obras Gregas e Romanas 


           
           Normalmente assumimos que as esculturas gregas e romanas na antiguidade eram todas brancas e "cruas". Isso era até uma questão de grande debate entre os historiadores, onde estes tentavam decidir se essas obras possuíam ou não cores. Mas em anos recentes, técnicas modernas de análise química já mostraram que essas esculturas eram, sim, coloridas, algo que confirma achados anteriores de pinturas que mostravam esses povos antigos as pintando. (Ref.7 e 8)


            5. Uso do pigmento índigo



         Uma pesquisa arqueológica publicada esta semana na Science, mostrou que o índigo azul, um dos pigmentos mais valiosos e mais disseminados na antiguidade e atualmente, já era utilizado no Peru no período pré-Hispânico, há cerca de 1500 anos antes do uso mais remoto possível conhecido até agora ( há 4400 anos, durante a 5° Dinastia Egípcia no Velho Mundo).

        A descoberta foi possível através do achado de tecidos de algodão na região de Huaca Prieta, no Peru, datados de 6 mil anos atrás e em um raro estado de preservação, algo que permitiu aos pesquisadores encontrarem traços do pigmento indigotina, provavelmente derivado da planta Indigofera spp. O índigo é o responsável pela cor das calças jeans azuis. (Ref.9)
        

                                                             __//_________//__ 

             Caso conheçam algum mito ou desconfiem da validade de algum fato histórico, deixem nos comentários para eu poder pesquisar a respeito e postar na próxima publicação...:) 

Artigo Complementar: Mitos da História 2 

REFERÊNCIAS
  1. http://penelope.uchicago.edu/~grout/encyclopaedia_romana/gladiators/polliceverso.html
  2. http://news.ku.edu/1997/97N/SepNews/Sept29/thumbs.html 
  3. http://www.independent.org/publications/tir/article.asp?a=803   
  4. http://www.museudacidade.sp.gov.br/grito-quadro.php 
  5. http://www.crmariocovas.sp.gov.br/grp_l.php?t=036gi
  6. http://www.academia.edu/4912485/AN%C3%81LISE_DO_QUADRO_-_GRITO_DA_INDEPEND%C3%8ANCIA_DE_PEDRO_AM%C3%89RICO
  7. http://news.stanford.edu/news/2011/march/cantor-painted-ladies-031711.html
  8. http://academicworks.cuny.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1147&context=cc_etds_theses 
  9. http://advances.sciencemag.org/content/2/9/e1501623