YouTube

Artigos Recentes

Por que o leite corta a ardência da pimenta?



           Todos aqui já devem ter ouvido que tomar leite é uma boa maneira de remover a ardência da pimenta da boca. Mas por que esse conselho? O que tem de tão especial no leite para cortar o efeito da ardência? Será que todo leite possui o mesmo efeito?

             A ardência gerada pela ingestão da pimenta é causada por um grupo de compostos químicos orgânicos chamados de capsaicinóides. Os principais compostos ativos presentes na pimenta são a capsaicina (69%) e a dihidrocapsaicina (22%). Os capsaicinóides agem se ligando ao receptor receptor vanillóide subtipo 1 ( TRPV1) nos tecidos dos mamíferos, incluindo nossa espécie. Esse receptor está relacionado à sensação de queimadura na pele. Portanto, quando em contato com a boca, a pimenta acaba disparando esses receptores, levando à sensação típica de ardência. E onde o leite entra como herói nessa história?
 
A cadeia alifática é a grande responsável pelo caráter apolar dessas substâncias

          Se vocês observarem a estrutura química dos capsaicinóides na figura acima, verão que o composto possui um caráter pouco polar (se aproxima mais do comportamento de uma molécula apolar), (1) ou seja, não se mistura bem com água (solvente polar), por exemplo. Por isso não adianta lavar a boca com água para aliviar a ardência. Já o leite, junto com a água, possui bastante gordura (solvente apolar) e caseína, uma molécula proteica que se liga bem às substâncias apolares. Ambos os componentes, especialmente a caseína, irão interagir muito bem com os capsaicinóides, dissolvendo-os e lavando-os da boca. É possível aferir, portanto, que nem todo leite funcionará tão bem nessa tarefa. Ora, o leite desnatado, cuja gordura é removida durante sua feitura, terá sua eficiência reduzida por só contar com a ajuda da caseína.

A caseína presente no leite é a principal responsável pelo papel de diminuir a ardência causada pela pimenta; outros laticínios também terão esse efeito por conterem caseína, como os queijos, iorgute e até mesmo sorvetes

             É lógico ver também que não será apenas o leite que terá efeito de limpeza em relação aos capisacinóides. Qualquer solvente apolar, ou que interaja bem com os solventes apolares (água+sabão, por exemplo), terá o mesmo poder de dissolver e tirar esses compostos do contato com os receptores TRPV1. Assim, óleo de cozinha e outros alimentos gordurosos também irão ajudar a retirar a ardência da pimenta. Álcool, um bom solvente orgânico parcialmente apolar, também é bom para limpá-los, e lavar a boca com uma bebida alcoólica funciona relativamente bem (quanto maior o teor alcoólico, maior a eficiência; cerveja, por exemplo, terá uma eficiência mínima por conter água demais). Caso caia na pele um concentrado muito forte de pimenta na pele, lavar com detergente, shampoo ou sabão é uma boa opção, dependendo da intensidade e local da exposição . (2)

          Os capisacinóides são produzidos pelas plantas do gênero Capsicum e são concentrados na parte externa das sementes dos frutos. Sua função na planta é, provavelmente, relacionado à proteção contra ataques de fungos e mamíferos. O fungo Fusarium, conhecido por infectar essas plantas, não consegue se desenvolver bem em contato com os capisacinóides. No caso dos mamíferos, isso impede que a maioria deles comam os frutos e mastiguem as sementes, dificultando a reprodução da planta. Já os pássaros não possuem os receptores TRPV1 e, portanto, são imunes à sensação de ardência e comem os frutos sem problemas. Mas, como não mastigam a comida, a semente acaba saindo inteira pelo trato digestivo e saindo nas fezes para ser germinada no solo. Assim, são grandes as chances disso ter evoluído para facilitar a disseminação das sementes da planta, afastando os mamíferos e atraindo os pássaros.

Observação: No caso da ardência na boca, é interessante acrescentar que soluções contendo, no mínimo, 10% de sacarose (açúcar de cozinha) também são tão efetivas quanto o leite em diminuir a sensação de ardência causada pela pimenta. Só que, ao contrário do leite, que irá retirar os capisacinóides da boca permanentemente, a sacarose irá apenas aliviar a dor por alguns minutos (através de interações com outros receptores na boca). Podemos concluir também que um copo açucarado de leite funcionará muito melhor do que leite puro, por aliviar mais rapidamente a ardência.

Curiosidade: O motivo pelo qual as pessoas acabam se viciando em comidas picantes é por causa da liberação de endorfina (um opioide ainda mais poderoso do que a morfina como anestésico) após sua ingestão. A capsaciana é um agonista dos receptores de dor na língua (a ardência), o que faz o corpo liberar endorfina, esta a qual promove prazer, relaxamento e forte ação analgésica. Como todo opioide, a endorfina possui um forte poder de vício. Essa substância também é liberada no corpo após o consumo de chocolate, atividade sexual e exercícios físicos.

(1) No caso de spray de pimenta no rosto, especialmente nos olhos, não adianta fazer muita coisa para aliviar os sintomas da dor. Por causa da alta concentração de capsaciana (ingrediente ativo do spray, misturado em um óleo), a interação com os receptores na pele é muito intensa e profunda, dificultando a ação de detergentes, leite, entre outros solventes de limpeza. O recomendado é piscar bastante os olhos para forçar a saída da capsaciana dos mesmos, evitar esfregar as regiões atingidas para não espalhar o composto pela pele (o que piora ainda mais a dor) e, simplesmente, esperar que a dor passe com o tempo.

(2) Moléculas polares são aquelas em que a distribuição de elétrons em sua superfície é homogênea, não existindo polos exteriores. Moléculas polares são aquelas onde a distribuição eletrônica na sua superfície é irregular, criando polos positivos e negativos. O motivo das substâncias polares só interagirem bem com substâncias polares e as apolares com as apolares é que as forças intermoleculares ao redor das moléculas apolares são muito fracas, não sendo suficientes para competirem com as forças polares. Por exemplo, quando você mistura água com óleo de cozinha, a primeira prefere interagir entre suas moléculas polares, excluindo as moléculas apolares do óleo de ´entrar´ dentro das suas ligações intermoleculares. Em outras palavras, as moléculas de óleo não conseguem quebrar as ligações de caráter polar da água, ficando impossível a mistura. Não significa, porém, que nada do óleo consiga se dissolver na água. Uma parte ínfima consegue, sim, solubilizar em meio aquoso. Na verdade, não existe solubilidade zero de nada, tanto em meio sólido ou líquido.

Note que na superfície do metano só existem átomos de hidrogênio, todos com a mesma eletronegatividade, fazendo com que os elétrons sejam distribuídos de maneira uniforme; na água, temos um oxigênio, muito eletronegativo e um par de hidrogênios muito menos eletronegativos, fazendo com que os elétrons sejam atraídos mais para o lado do oxigênio, criando uma carga negativa em cima do mesmo e duas positivas em cada um dos hidrogênios;

Artigo relacionado: Betel: um mal negligenciado!


REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS
  1. http://www.acs.org/content/dam/acsorg/education/resources/highschool/chemmatters/archive/chemmatters-dec2013-pepper.pdf
  2. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/003193849090067E
  3. http://www.jneurosci.org/content/23/3/978.full.pdf
  4. http://thirdworld.nl/effects-of-fat-and-sucrose-in-palate-cleansers-on-discrimination-of-burning-sensation-of-capsaicin-samples
  5. http://antoine.frostburg.edu/chem/senese/101/features/capsaicin.shtml
  6. http://www.nature.com/nature/journal/v412/n6845/full/412403a0.html
  7. http://web.archive.org/web/20070504035555/http://spectre.nmsu.edu/dept/academic.html?i=1274&s=sub
  8. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18924005