YouTube

Artigos Recentes

Pílulas Anticoncepcionais e Trombose



           A Drospirenona, ou 1,2-dihidrospironrenona ( nome químico oficial), é uma progestina sintética usada em pílulas anticoncepcionais e pílulas de reposição hormonal. Em 2012, uma grande polêmica e preocupação por parte das autoridades de saúde surgiram por causa de estudos mostrando que esse princípio ativo poderia estar intimamente relacionado com um aumento nas chances de desenvolvimento de trombose venosa. Isso levou o FDA a emitir uma nota oficial de advertência em relação às marcas de pílulas que traziam o componente e disparou diversos processos judiciais de mulheres contra certas marcas, como a Yaz e a Yasmin. Mas existem duas más interpretações nessa história.

Mais de 100 milhões de mulheres usam pílulas anticoncepcionais ao redor do mundo

            Antes de qualquer coisa, é preciso deixar claro que toda pílula anticoncepcional, e similares, aumentam as chances de tromboses se desenvolverem no corpo. Estas são caracterizadas pelo surgimento de um coágulo em um vaso sanguíneo que impede a passagem normal do sangue. Dependendo da localização do coágulo, tecidos podem ser gravemente danificados pela falta de oxigenação e de nutrientes tragos pelo fluxo sanguíneo. Em vasos próximos do coração ou no cérebro, as consequências são fatais. No caso da drospirenona, a trombose afetaria em maior proporção as veias. Esses tipos de efeitos colaterais descritos na bula são analisados pelo médico junto ao paciente, onde é feito um balanço dos riscos e benefícios.

             Agora, vamos para a outra parte. As pílulas anticoncepcionais e de reposição hormonal são muito benéficas para as mulheres, sendo que a primeira até diminui significativamente os riscos de um câncer de útero (1) e pode amenizar os efeitos de vários outros problemas, como a acne. O controle de natalidade e tratamento do desregulamento de hormônios ajudam, definitivamente,  as mulheres a terem uma melhor qualidade de vida, além de dar a elas um maior poder no planejamento familiar. Mas e os tais efeitos colaterais descritos acima? Sim, eles existem, porém acabam atingindo uma parcela muito diminuta das mulheres que usam tais medicamentos ou são fracos demais, a ponto de serem facilmente tratados. Um terceiro fator, claro, pode incitar a ocorrência maior de efeitos desagradáveis: o uso incorreto do medicamento. E quanto à trombose em específico, o risco quantitativo acaba sendo superestimado por causa de reportagens sensacionalistas e distorções interpretativas.
Um trombo ( ou coágulo) bloqueando a passagem do fluxo sanguíneo pela válvula da veia


          Por exemplo, vamos analisar o ´aumento´ de casos de trombose devido à drospirenona. Duas pesquisas publicadas em 2012, uma pelo FDA ( Agência de Drogas e Alimentos dos EUA) e outra pela ´British Medical Journal´, foram as responsáveis pelo caos (Ref.2). Na primeira, envolvendo a análise de 800 mil mulheres entre 2001 e 2007, e conduzida pela própria FDA, mostrou-se que as usuárias do Yaz, marca que contém o tal hormônio sintético, tinham uma chance 75% maior de terem trombose. Na segunda, 1 milhão de dinamarquesas foram analisadas, e descobriu-se que as que tomavam o Yaz em vez de outras formulações diferentes ( em vez da drospirenona, o levonorgestrel, por exemplo) tinham o dobro de chances de desenvolverem os coágulos. E como essas quantidades relativas estão relacionadas? Em usuárias de qualquer outro tipo de pílula anticoncepcional, as chances de desenvolverem trombose é algo entre 15 e 20 casos para cada 100 mil mulheres. Para as usuárias do drospirenona, as chances vão para algo entre 25 e 30 casos para cada 100 mil. Bem, em ambos as situações, as chances são ínfimas, apesar de existirem. E eu não acabei.

         Tudo isso é verdade caso os dois estudos estivessem com 100% de certeza, mas isso passa longe da verdade. No mesmo ano, a FDA exigiu outros estudos para comprovar as suspeitas, e ambos não acharam diferença nenhuma entre quaisquer tipos de pílula para a ocorrência maior ou menor de trombose. E agora vamos para a parte mais importante: atualização. Sim, porque vemos diversos sites e pessoas fazendo a caveira dessas pílulas, por conta da drospirenona, com notícias paradas de 2012. Desde esse ano, diversos outros estudos foram feitos e chegaram a uma única conclusão até agora: não existe conclusão. Muitos não acharam diferenças de risco. Outros acharam indícios. E isto adotando como referência meta-análises, artigos de revisão e trabalhos isolados. Na época, tanto a Yaz e a Yasmin tiveram que pagar multas pesadas para consumidoras que relacionaram quadros de trombose com o uso das suas pílulas. Vendo a questão hoje, talvez isso não tivesse sido algo tão justo assim. De qualquer forma, a indústria farmacêutica possui dinheiro transbordando e talvez ambas não sentiram tanto no bolso em vista das repercussões negativas que  poderiam surgir da não resolução das disputas judiciais. O FDA acabou também obrigando as marcas a colocarem na bula advertências sobre os possíveis novos efeitos colaterais do polêmico hormônio (Ref.1).

             O mais importante que eu quero deixar claro aqui é para as mulheres não terem medo de tomar as pílulas anticoncepcionais. Não estou defendendo a indústria farmacêutica ( não recebi nem um centavo por esse artigo), apenas estou quebrando distorções sobre esse assunto. Sempre converse com o seu médico antes de usar qualquer medicamento, pois o mesmo irá checar se não existe nada em você que dispare efeitos colaterais preocupantes ( através de exames laboratoriais, exame clínico e histórico do paciente) e também fornecerá as melhores recomendações possíveis sobre o tratamento visado. Quando ler algo na internet ou ouvir certa informação de saúde de algum terceiro durante uma conversa, não pegue aquilo para, subitamente, mudar seu estilo de vida. Converse com um profissionais de saúde primeiro. De preferência, tente obter mais de uma opinião profissional. Isso inclui as informações fornecidas pelo meu blog, mesmo ele tendo confiável respaldo científico.

NOTA: Sim, seria óbvio eu dizer que é só trocar as formulações das pílulas para se prevenir ao máximo dos riscos aumentados de trombose, comprovados ou não. Porém, as formulações diferenciadas são importantes, pois atenderão diferentes quadros de pacientes, incluindo alergias, interações com outros medicamentos, efeitos terapêuticos específicos, etc. Claro, se você puder trocar as formulações, sob orientação de um médico, sinta-se a vontade...:) Mas não fique desesperada pensando que vai ter trombose só porque tomou uma formulação com drospirenona. Na pior das hipóteses, será uma chance quase desprezível. Se um anticoncepcional está em boa sintonia com o seu corpo, não troque ele por outro sem supervisão médica só porque existem rumores suspeitos em cima dele. Líderes da Igreja Cristã são mestres em espalhar boatos falsos sobre diversos métodos anticoncepcionais.

Antiga arte meio que ironizando o poder ganho pelas mulheres com o advento da pílula ( algo machista ou religioso, claro); Na legenda: ´E o vilão ainda persegue ela´

BRASIL: Aqui, as pílulas contraceptivas que contêm o drospirenona são muito caras, sendo poucas as brasileiras que a utilizam. As antigas formulações é que são as mais adotadas. (Ref.19)

OBS.: Alguns importantes fatores de risco para o desenvolvimento de tromboses: Procedimentos cirúrgicos; Feridas extensas; Obesidade; Infecções graves; Hipercoagubilidade ( doença); Distúrbios na Circulação sanguínea ( doenças); Má formação de vasos sanguíneos ( doenças). Nestes casos, por exemplo, o médico irá ter cautela ao indicar o uso de anticoncepcionais, evitando as formulações com o mínimo de suspeitas e fazendo o balanço de riscos e benefícios.

(1) As pílulas anticoncepcionais é um medicamento formado pela combinação de um estrógeno ( no caso, estradiol) e uma progesterona ( no caso, uma progestina). Quando administradas diariamente, essas pílulas inibem a fertilidade feminina. Historiadores garantem a elas o título de mais importante método contraceptivo que transferiu poder de controle reprodutivo dos homens para as mulheres. Além da sua ação principal na natalidade, as pílulas possuem diversos outros benefícios:

1. Diminui os riscos de cânceres de ovário, endométrio e colorretal em até 50%, depois de um uso mínimo de 5 anos;

2. Podem ajudar a amenizar os sintomas Pré-Menopausa e Menopausa;

3. Pode proteger contra inflamações pélvicas causadas por doenças;

4. Pode ajudar a tratar a acne;

5. Faz sua menstruação ser mais regular, menos dolorosa e em menor quantidade;

6. Pode reduzir bastante os riscos de fibroides, cistos no ovário e doenças não cancerosas nos seios.

Artigo relacionado: Pílulas Anticoncepcionais podem causar perda de nutrientes no corpo

REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS
  1. http://www.accessdata.fda.gov/drugsatfda_docs/label/2012/021098s022lbl.pdf
  2. http://www.ufrgs.br/bibenf/news/anvisa-alerta-sobre-anticoncepcional-com-hormonio-drospirenona 
  3. http://humupd.oxfordjournals.org/content/19/5/471
  4. http://www.cdc.gov/ncbddd/dvt/travel.html
  5. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S001078241400033X
  6. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/1471-0528.12210/full
  7. http://ebn.bmj.com/content/17/3/71.short
  8. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0010782416000329
  9. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0010782412010335
  10. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0010782407000418
  11.  http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.3109/13697137.2014.978753
  12. http://www.maturitas.org/article/S0378-5122%2815%2900276-5/abstract
  13. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1344622314001424
  14. http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.3109/09513590.2016.1161743
  15. http://synapse.koreamed.org/DOIx.php?id=10.5468/ogs.2015.58.5.397
  16. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0049384815301225
  17. http://link.springer.com/chapter/10.1007/978-3-319-09662-9_8#page-1
  18.  http://www.bmj.com/content/342/bmj.d2519
  19. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4602984/
  20. https://search.informit.com.au/documentSummary;dn=817134451507173;res=IELHEA
  21. http://www.nhs.uk/conditions/contraception-guide/pages/combined-contraceptive-pill.aspx