YouTube

Artigos Recentes

Por que sentimos calor ou frio?



               Todos já devem estar cansados de saber que o popular ´Eu estou com calor´ é errado, termodinamicamente falando. ´Calor´ é apenas energia calorífica sendo transferida de um ponto mais quente para um mais frio ( ou do frio para o quente caso exista um trabalho extra envolvido, como o motor de uma geladeira). No popular, calor é usado para expressar que uma pessoa está em um ambiente quente. O certo seria falar que o ambiente está com uma alta temperatura, mesmo as pessoas querendo dizer que  o ´calor´ está com elas. De qualquer forma, isso não é o que eu quero discutir aqui, porque existe algo muito mais interessante sobre esse assunto.

               Chegou aquela manhã fria e todos correm para pegar o casaco ou qualquer outra roupa mais grossa. Aqui em Belo Horizonte, MG, se a temperatura cai para os 15°C, é porque o bicho está pegando. Agora, se estamos em um dia onde a média varia entre 29 e 33°C, passamos a sentir um ´calor´ insuportável. Uma faixa ideal para nós, belo-horizontinos, seria algo entre 23 a 25°C. Mas olha que estranho: em todas as três  situações, a temperatura está menor do que do a do nosso corpo, a qual é acima de 36°C! Ou seja, nós estamos longe de estar com ´calor´, na verdade, nós estamos perdendo calor para o ambiente ao nosso redor, por ele estar com menor temperatura! Então, não deveríamos estar sentindo era frio, em todas as temperaturas citadas acima?

  
             O que o corpo sente não é a temperatura ao seu redor, e, sim, a velocidade e magnitude da perda de calor. Quanto menor a temperatura, mais rápida é a transferência e quantidade de energia calorífica passada do corpo para o ambiente à sua volta, com o cérebro interpretando isso como muito ´frio´. Quanto mais alta, mais devagar e menor é a perda, fazendo o cérebro interpretar isso como muito ´quente´. Se a temperatura ambiente subir mais ainda, chegando à faixa de 37-40°C, a transferência de calor é cessada, e passamos a receber calor do ambiente. Aí, sim, estaremos com ´calor´ ( nossa temperatura tende a subir), e a situação se torna um inferno.

              O cérebro possui essas interpretações porque o nosso corpo está sempre se movimentando, metabolizando e produzindo bastante energia no processo, o que está sempre aumentando nossa temperatura acima do ideal, que é, geralmente, entre 36 a 37°C. É preciso estar sempre resfriando ou preservando a energia térmica corporal para a temperatura interna ficar nessa faixa ( todos os processos metabólicos do nosso corpo são altamente dependentes da temperatura certa). Se você está em um ambiente onde é difícil a transferência de calor para o meio externo, o resfriamento é dificultado, e por isso a sensação de desconforto, mesmo com as temperaturas ao redor menores do que a sua. Caso a temperatura ambiente ultrapasse a sua, o corpo entra em desespero, já que, naturalmente, não existe como resfriá-lo por transferência direta de calor. Com isso, nosso corpo passa a recrutar muita água, a partir do suor e respiração para mandar a energia acumulada embora o mais rápido possível. Daí, vem os problemas de desidratação, mal-estar e tonturas. Ondas de alta temperaturas, as quais podem alcançar ou ultrapassar os 50°C,  comuns em países como a Índia, chegam a matar milhares de pessoas.

                 Mas, se ao contrário, as temperaturas estão bem baixas, as perdas de calor passam a ser muito grandes e rápidas, dificultando também a manutenção da temperatura corporal ideal. Passamos então a buscar um ambiente mais aquecido, nos cobrir com tecidos grossos para evitar a perda de calor ( tecido é isolante térmico), e passamos a tremer e querer nos movimentar mais para aumentar a produção energética, compensando a perda de calor. E é por isso que as sensações de frio e quente variam de região para região no globo, porque o organismo se acostuma com as transferências características de calor proporcionada pelos diferentes climas. Alguém do deserto achará 28°C agradável, porque o corpo já arrumou um jeito transferir o calor mais eficientemente. Já um esquimó achará 15°C bem quente, porque o corpo já arrumou um jeito de impedir que o seu calor passe muito rapidamente para o ambiente ao redor.

           Portanto, quando você diz que está com calor, estará, provavelmente, contrariando a físico-química de duas formas: por nomenclatura e por processo. O estrago é maior do que você imaginava...:)

            Devido a essas sensações envolvendo o calor e interpretação cerebral, ocorrem interessantes fenômenos de truques mentais. Expliquei ambos nos dois textos abaixo, para quem tiver curiosidade:

Artigos complementares: