YouTube

Artigos Recentes

Ser vegetariano é o certo?

   

         Existem dois modos de encarar essa questão. A primeira é do ponto de vista de sustentabilidade: ser vegetariano ajuda o meio ambiente e a matar a fome do mundo? A segunda é: comer carne é prejudicial à saúde? As pessoas tendem a misturar as duas coisas e muitos vegetarianos apedrejam a carne de todas as maneiras, sem que isso seja verdade.

         Entre os vegetarianos, existem aqueles que desprezam qualquer tipo de produto animal e aqueles que toleram na dieta alimentos como o ovo, laticínios e mel. Alimentar-se apenas de vegetais não traz prejuízos para a saúde se a dieta for muito bem planejada. A total exclusão de carnes, diminui muito a ingestão diárias de alguns nutrientes, onde podemos citar as proteínas, vitamina B12, cálcio, zinco, iodo e ferro. Se o vegetariano aceita o consumo de ovos e derivados do leite, os problemas citados são quase que totalmente sanados, especialmente em relação às proteínas e ao cálcio.  Mas a ingestão de ambas fontes alimentares deve ser diária e em quantidades significativas. Caso contrário, é preciso escolher muito bem os alimentos vegetais ou tomar uma suplementação.

No cardápio vegetariano, se for possível, é sempre uma boa pedida incluir ovos e laticínios diariamente

          A vitamina B12 pode ser encontrada em abundância nos levedos de cerveja (  Os benefícios da levedura de cerveja) e em diversas espécies de cogumelos comestíveis. O cálcio está presente em boas quantidades nas verduras verde-escuras, amêndoas, castanha-do-pará, sementes de chia e de girassol. O ferro pode ser encontrado em uma grandes quantidade de fontes vegetais ( sementes, frutas, verduras) mas é muito menos absorvível pelo corpo humano do que o presente em compostos associados com a carne animal, ou seja, você deve comer bastante das fontes verdes ( feijão deve ser, por exemplo, um prato sempre priorizado).O zinco é abundante nas sementes, como as nozes e amêndoas. O iodo, na forma de íon iodeto, pode ser encontrado no sal iodato ( light ou de cozinha), mas o problema é que este possui uma grande quantidade de sódio (  Sódio e a hipertensão), e, por isso, deve ser consumido com prudência. Outra fonte satisfatória de iodo é a cerveja, mas aí o consumo deve ser moderado, tanto pelo seu alto índice glicêmico quanto pelo teor alcoólico, se contiver etanol. As outras boas fontes de iodo, são, infelizmente, de origem animal ( frutos do mar, leite, ovos e fígado, por exemplo). Por último, as proteínas, podem ser obtidas de muitas fontes vegetais, mas sempre em pequenas quantidades em relação às nossas necessidades diárias. Uma exceção importante é a farinha de soja, a qual possui até mais proteína do que as carnes, sendo que as mesmas são se excepcional absorção e possuem todo o espectro de aminoácidos de que o nosso corpo precisa. Ela, portanto, deveria ser outra prioridade na vida de qualquer vegetariano. Mais uma boa dica proteica é o consumo do mais famoso prato brasileiro: arroz com feijão. O conjunto dos dois fornecem todos os aminoácidos ( unidades estruturais das proteínas) necessários para o organismo e em quantidades significativas. Os aminoácidos/proteínas fazem parte essencial de todas as células do seu corpo e uma ingestão insuficientes deles, literalmente, acabam com você, especialmente se houver falta de algum/s do/s aminoácidos essenciais ( aqueles que não podem ser sintetizados pelo seu corpo). O levedo de cerveja também é um ótimo ajudante proteico.

         Depois de tudo isso explicado, é fácil entender porque muitos vegetarianos acabam apresentando uma debilidade física maior do que as pessoas que consomem de tudo. Se a dieta for seguida direitinho, os vegetarianos só têm a ganhar, já que os vegetais garantem doses muitos boas de vitaminas, minerais, carboidratos de boa qualidade, ácidos graxos insaturados essenciais, fibras alimentares em abundância ( as quais são difíceis de serem ingeridas em quantidades recomendadas pela maioria da população), entre outros. Mas o problema é que as pessoas adotam a vida verde mas acabam não dando nem mesmo uma mínima atenção ao que estão comendo, sabendo apenas que precisam retirar as carnes do cardápio. Tomar suplementos alimentares e medicamentos acaba sendo a única opção quando os danos corporais começam a ficar evidentes. Aí é que entra a indagação inicial: esse sacrifício é algo válido em prol da natureza e da humanidade, ou porque as carnes ( aves, gado, peixes, etc.) são do ´mal´?


O segredo em uma boa dieta vegetariana é comer uma ampla variedade de alimentos vegetais, sem dó das quantidades consumidas; comer pouco em um regime desses, é pedir uma visita urgente ao hospital

          Sim, do ponto de vista ambiental e sustentável, cortar o consumo de carnes é algo benéfico. Para ser ter uma ideia, a produção padrão de apenas 1 quilo de carne consome cerca de 15 mil litros de água potável! Além disso, a quantidade de grãos e outros recursos vegetais necessária para alimentar as criações de animais são enormes, os quais poderiam estar indo direto para o prato das pessoas, salvando milhões da fome. É estimado que o se a produção de carne fosse banida agora, até 2030 o mundo conseguiria sanar o problema da fome, apenas pela quantidade extra de grãos ( soja e milho, principalmente) que sobraria. Em termos de aquecimento global, o gado é responsável pela maior parte das emissões de metano no planeta, gás esse com potencial estufa 21 vezes maior do que o dióxido de carbono ( Interpretações erradas sobre o efeito estufa) . E áreas gigantescas são desmatadas, em adição às plantações, devido à criação de animais de pasto. Concluindo, o planeta só tem a ganhar com o sumiço das carnes. Mas, e quanto ao malefício à saúde das carnes? Existe algum fundamento científico?

         Não. As carnes não fazem mal à nossa saúde. Como todos os alimentos, vegetais ou animais, elas só trarão prejuízos se consumidas em excesso. Um dos grandes argumentos de acusação é em cima das gorduras saturadas, presentes em grande quantidade na gordura animal. Porém, diversos estudos vem mostrando que elas não trazem danos à circulação sanguínea ( As gorduras saturadas são prejudiciais?). A gordura que realmente causa problemas é a trans, mas esta não tem nada de relacionado com as carnes ( O que são as gorduras trans e por que evitá-las?). Além disso, se a quantidade calórica diária não ultrapassar de 10% de saturadas, não existe prejuízos visíveis à saúde, especialmente se existir uma boa quantidade de gorduras poli-insaturadas associado ( óleos vegetais e peixes). Ora, e, somando-se a isso, é só dar preferências à carnes pouco gordurosas, caso você esteja com receios das saturadas. Então, falar que as carnes fazem mal à saúde não é justo. O mesmo vale para o leite e os ovos, os quais também sofrem um baita preconceito injusto ( Comer ovos aumenta o colesterol no sangue? e O consumo de leite é predudicial?). Pelo contrário, as carnes, ovos e laticínios, em termos de saúde, só têm a contribuir. Além de possuírem os aminoácidos de melhor valor biológico, muitos nutrientes mais ´´raros´´ e essenciais ao corpo estão presentes nelas em grande quantidade e em uma melhor forma de absorção. E quando olhamos povos como os Inuts, cuja dieta é composta, basicamente, de carne e gordura animal, temos uma comprovação de que isto pode ser verdade. Os Inuts são muito saudáveis e, se fôssemos levar em conta o que muitos vegetarianos obcecados dizem, eram para eles terem sido extintos há muito tempo. Outra: muitos evolucionistas sérios defendem o ser humano evoluiu na base de uma dieta quase carnívora, com nosso corpo, até hoje, estando adaptado para o consumo das carnes ( A dieta cetônica é eficaz?)  Falando nisso, existe um pessoal que gosta de dizer que diversos animais de grande porte, como os elefantes e rinocerontes, sobrevivem comendo só vegetais e, portanto, essa é a alimentação ideal ( ´´Falta de cálcio? Besteira, olha o tamanhos dos ossos dos elefantes!´´). Eu nem deveria gastar meu tempo discutindo isso. Alguém também poderia dizer que as carnes e gordura animal compõem a dieta ideal justificando isso pela existência de diversos carnívoros de grande porte, como tubarões, leões e ursos. Cada animal evolui com necessidades específicas, as quais dependem do seu corpo e ambiente ao seu redor. E o fato é que o ser humano se desenvolveu, na maior parte da sua história, com uma dieta onívora, a qual inclui um mix de fontes alimentares animais e vegetais.

As criações de animais não são as melhores amigas da natureza, mas isso não interfere na qualidade  das carnes; problemas com abuso de hormônios também não são uma regra, assim como os agrotóxicos nas plantações.

          Posso dizer, com segurança, que a dieta equilibrada é a forma mais fácil de se alcançar uma boa saúde. E esse equilíbrio é alcançado com derivados animais e vegetais. Agora, isso não quer dizer que os vegetarianos estão errados. A única ressalva é que se restringir somente aos vegetais traz uma responsabilidade alimentar muito maior. O mesmo pode ser dito para a dieta majoritariamente carnívora. O empecilho para esses extremismos é que a população geral tende a não se preocupar muito com a alimentação na correria do dia-a-dia. Impor tais cortes pode significar um grande risco para a saúde do povo. Posso afirmar também que o consumo da carne não é prejudicial ao seu corpo, mas o mesmo não pode ser dito ao meio ambiente. Será que para resolver qualquer problema o necessário é sempre tentar extinguir os elementos que os causam? Pena de morte é a solução para qualquer crime? Não acho que seja preciso acabar com o consumo de carne para salvar o planeta. Diminuir esse consumo é uma boa ideia. Carne não pode ser tratado como o cigarro. É preciso pensar bem antes de tentar disseminar ideais ´´salvadores´´, por melhores que sejam suas intenções.
Como eu já disse diversas vezes aqui no blog, o ideal mesmo é manter uma dieta equilibrada, consumindo as mais diversas fontes saudáveis de alimento, priorizando a diversidade em cima da quantidade. Se você foge disso e vai para o extremismo, é preciso redobrar a atenção no que está colocando na mesa, porque sua vida vale muito mais do que uma simples moda.


                    Siga o Instagram para entender melhor sobre as tabelas de informação                     nutricional dos alimentos: https://instagram.com/jeanoliveirafit/

Texto complementar: As gorduras saturadas fazem mal?

ATUALIZAÇÃO (10/12): E a Organização Mundial da Saúde ( OMS) declarou hoje que estudos conclusivos determinaram que as carnes muito processadas ( linguiça, presunto, bacon, salsicha, etc.), se ingeridas diariamente e com  quantidades acima de 50 gramas por dia, aumentam os riscos de câncer de cólon em 18%. Mas vamos deixar duas coisas claras.

            Se você ingere esses alimentos uma vez ou outra, esse risco de câncer deixa de existir. E o mais importante: se sua dieta for rica em fibras e equilibrada, sem a presença de álcool em excesso ou vício em cigarro, as chances do câncer de cólon surgir, mesmo se você consumir diariamente as carnes processadas, ficam remotas. A OMS fez esse alerta internacional hoje, porque a maioria das pessoas possui uma dieta deficiente, pobre em fibras, além de consumir álcool acima do limite e o vício do cigarro ser ainda preocupante no mundo. Com esses fatores, as carnes processadas, realmente, são um fator decisivo para o desenvolvimento do câncer na porção final do intestino. E é também bom lembrar que, segundo o Centro de Pesquisas do Câncer da Grã-Bretanha, o câncer de cólon é bem raro, fazendo com que o aumento no risco de contrair um tumor maligno desse tipo, independente do valor, seja algo não muito preocupante. Ou seja, diferente do que alguns estão dizendo, consumir carne processada não é o mesmo que fumar um cigarro.

                   Outro ponto de extrema relevância a ser levantado é que o alerta é apenas para as carnes PROCESSADAS, as quais recebem o acréscimo de um número altíssimo de conservantes, realçadores de sabor e diversas outras substâncias suspeitas. Podem consumir os outros tipos de carne, inclusive a vermelha ( existem poucas evidências contra ela), sem problema, especialmente se sua dieta for saudável, com o consumo ideal de nutrientes. As carnes são importantes fontes de nutrientes e possui um dos melhores conjuntos de aminoácidos essenciais da alimentação, como reforçado no artigo acima.

Textos relacionados: A importância das fibras para a flora intestinal