YouTube

Artigos Recentes

Por que os homens tendem a gostar de mulheres com seios e bunda grandes?


          Antes de começar, é importante dizer que a pergunta inicial não é uma regra e, sim, uma generalização. Existem, claro, diferentes gostos quando o assunto é afinidade física. Mas aqui iremos pegar um estereótipo funcional e destrinchá-lo (ou tentar) cientificamente. Outro ponto a ser mencionado é que não existe um consenso científico sobre esta questão e eu vou abordar algumas das principais hipóteses. Por último, o ´seios e bundas grandes´ expressa aqui o senso comum de corpo feminino sarado, ou o famoso ´90-60-90´, ou seja, a obesidade não conta. E, para facilitar  a compreensão, irei dividir o texto em duas partes. Na primeira irei focar no quesito fertilidade e na segunda irei analisar o ato sexual em si. Ambas apresentam teorias de atração sexual, as quais podem se complementar ou não.



   FERTILIDADE

          Começando pela fertilidade, já podemos descartar uma ideia popular muito conhecida. Ela diz que os seios grandes seriam mais apreciados porque, intuitivamente, eles teriam mais leite. Isso faria com que os filhos gerados tivessem maior oferta de comida nos primeiros anos de vida. Ou seja, mulheres com os seios avantajados seriam escolhas perfeitas para a geração de uma família e um atrativo a mais para os parceiros masculinos, principalmente no passado longínquo, onde gerar descendentes era mais importante do que o puro prazer. Mas isso é totalmente equivocado. Por ingenuidade, podemos até ter a impressão de que seios grandes geram mais leite, mas isso passa longe da realidade. A produção de leite não depende do tamanho deles. Seios grandes só são grandes (quando naturais, claro!) porque acumulam mais gordura e esta não tem nada a ver com a lactação. E isso já era, logicamente, notado desde sempre na história humana e, portanto, a adoração não pode vir deste motivo. A produção de leite é definida durante a gravidez, onde o tecido mamário responsável pela liberação desse líquido é bem desenvolvido nesse período (por isso o aumento dos seios nesta fase). Problemas na lactação são indiferentes ao tamanho dos seios, com algumas poucas exceções.

Seios maiores não significam maior produção de leite

         Continuando na linha da fertilidade, vamos agora apresentar um fato que, realmente, representa uma evidência científica. Altos níveis dos hormônios estradiol e progesterona no corpo da mulher são bons indicativos de que ela terá mais chances de engravidar. Em alguns estudos, pesquisadores descobriram que mulheres com grandes seios e baixa razão entre a cintura e o quadril (com outras palavras poderíamos também dizer ´cintura fina e bunda grande´) apresentavam quantidades  maiores dos dois hormônios. Em relação ao estradiol, a diferença foi ainda maior, onde  foi obtido uma média de 26% mais deste hormônio em situações normais, e 37% mais durante o ciclo menstrual. Durante a evolução humana, mulheres com essas características seriam mais férteis e atrairiam mais homens. E, normalmente, mulheres com bustos e quadris mais recheados, são bem encorpadas também, passando uma visão de ´bem -nutrida´, ou seja, capazes de gerar filhos saudáveis, e serem mais resistentes (não confundir o ´encorpado´ com obeso... a comparação aqui, vamos dizer, é com o estilo 'Ronda Rousey'). Quadris com aspecto mais largo também indicam que o bebê, na hora do nascimento, irá encontrar uma passagem mais larga para passar, ou seja, essas mulheres teriam menos riscos de complicação durante o parto. Além disso, a preferência dos homens por uma baixa razão ´cintura/quadris´ já é bem estabelecida por inúmeros estudos, onde a razão 0,7 é a mais atraente para a maioria.

Ishtar, por exemplo, Deusa associada ao amor, guerra, fertilidade e sexualidade na Mesopotâmia, há milhares de anos atrás, possui um perfil de baixa razão entre cintura e quadril, e seios avantajados; claro, isso pode apenas ser um fruto de influências exclusivamente culturais, mas não deixa de ser um evidência

         Em relação, especificamente, aos seios, existe também a possibilidade de muitas mulheres terem eles grandes para fingir uma fertilidade alta sempre. Ao contrário de outros primatas fêmeas, os quais têm os seios aumentados somente durante a ovulação, muitas mulheres teriam eles maiores do que a média em uma tentativa de estarem permanentemente chamando a atenção masculina e solicitando um investimento reprodutivo mesmo quando elas não estivessem realmente férteis. Além disso, os seios aumentam bastante durante a gravidez e amamentação, ou seja, se as mulheres os têm grandes sempre, isso passaria a ideia que elas são muito férteis, já que, supostamente, estariam sempre grávidas e com filhos. Mas vocês podem estar se perguntando: ´Mas as mulheres obesas costumam ter seios bem avantajadas...Por que elas não seriam atrativas também?´ Bem, mas aí ficaria difícil saber se a mulher está com os seios grandes devido simplesmente à obesidade ou à uma possível gravidez. Se a mulher é mais magra e só possui maiores acúmulos nos seios, por exemplo, isso seria um fator mais evidente da ocorrência de uma possível gravidez, já que ela não têm amontoados adiposos por todo o corpo, apenas em uma área ligada à fecundidade (gravidez, ovulação, amamentação). Mais uma vez, isso são apenas hipóteses.

         Recentemente, pesquisas iluminaram um pouco mais sobre a fascinação dos homens por ´bundas grandes´. E, mais uma vez, no campo da fertilidade. Analisando o gosto de diversos homens, eles chegaram à conclusão de que o fato determinante não era, necessariamente, o tamanho dos quadris e, sim, a inclinação deles com a coluna espinhal, quando vistos de perfil (figura abaixo). Para ser mais exato, a inclinação preferencial que mais excitava os homens era em torno de 45°. E por que isso? Os pesquisadores dizem que esta inclinação deslocava o centro de massa para os quadris durante a gravidez, esta a qual puxa o centro de gravidade para a frente. Mulheres que tinham uma espinha mais reta sofriam um aumento danoso no torque dos quadris, induzindo a riscos de fatiga muscular e lesões na parte inferior da coluna. A barriga da grávida vai crescendo e jogando o corpo para frente, enquanto os quadris mais inclinados jogam o corpo para trás, contrabalanceando e equilibrando a massa corporal. E quanto maior a bunda, mais a inclinação fica pronunciada (atraindo mais a atenção masculina para a característica vantajosa) e mais contrapeso é adicionado. Além de evitar machucados, a movimentação é facilitada, tanto para escapar de algum perigo quanto para realizar, sem problemas, as tarefas diárias, possibilitando uma gestação saudável e permitindo outras mais sem graves transtornos. Ou seja, uma parceira ideal para gerar mais descendentes e, portanto, uma tentação sexual irresistível.

Inclinações da espinha com o quadril; quanto mais próximo de 45°, mais atraente aos olhos masculinos. Créditos da imagem: http://cos.h-cdn.co/assets/15/10/nrm_1425656560-sciencebigbutt.jpg 

        Ainda nas partes mais baixas do corpo, outro fator que pode ter feito bastante diferença nos jogos de atração sexual aos longo dos anos de evolução é a questão da saúde geral da mulher. Todos devem já estar cansados de saber que o acúmulo de gordura na barriga, a razão alta entre circunferência da cintura e circunferência dos quadris, e o índice de massa corporal elevado (no caso de obesidade) são fortes indicadores de maior risco para a vários problemas no organismo, como diabetes, hipertensão e danos cardíacos. Ou seja, ter a cintura mais fina e quadris maiores, mas sem a presença de obesidade, expressa uma boa saúde, e perfeitamente se encaixa com a nossa mulher ´violão´ retratada neste artigo. Uma mulher mais saudável promoveria uma gravidez também mais saudável e viveria mais, podendo gerar mais descendentes, como também foi mencionado no terceiro parágrafo. Mesmo para uma cintura não tão fina, uma bunda maior compensaria, e manteria uma menor razão entre as circunferências.



    ISCAS PARA O COITO

           Saindo, finalmente, da linha fértil, temos teorias que cobrem o campo do ato sexual em si. Voltando à bunda, precisamos primeiro lembrar que, antes dos nossos antepassados andarem eretos, utilizávamos os quatro membros para a locomoção. E, como a maioria dos mamíferos, nossa posição sexual preferencial era a por trás (o famoso 'de quatro'), e continuamos, até hoje, tendo ela como preferida, tanto por herança comportamental, quanto por observação constante dos outros mamíferos à nossa volta. Nesta posição, a visão da bunda é privilegiada, e onde ficamos com maior contato no corpo da mulher durante a penetração. Por causa disso, ver uma bunda nos remete imediatamente ao sexo e prazer sexual, e, quanto maior a bunda, mais evidente ela fica aos nossos olhos. E, já partindo desse ponto, os seios acabam pegando carona e mimetizam uma das características peculiares da bunda. As nádegas humanas são bem avantajadas em comparação ao resto do reino animal, e quando vemos as dos primatas, elas são, em sua maioria, bem retas, sem relevo. Cientistas acham bem plausível que o decote dos seios nas roupas humanas imitam o ´decote´ natural formada pelas duas ´bandas´ da bunda. Ou seja, as mulheres avantajadas teriam, praticamente, uma bunda na frente e outra atrás, aumentando, em dobro, o desejo sexual masculino.

Nádegas femininas (foto menor) e um decote generoso: as semelhanças são inegáveis
       
           Bem, as nádegas não saem dessa com a glória toda. Para alguns especialistas, os seios, considerando o ato sexual em si, podem ser mais do que personagens secundários. Depois que o ser humano começou a andar sobre apenas as duas pernas, o sexo cara a cara (´papai-mamãe´) começou a ficar tão comum quanto o ´de quatro´. E, se antes a bunda possuía uma visão privilegiada, agora os seios passariam a ser mais visíveis durante o sexo. Considerando também que a mulher sente prazer ao ser tocada nos mamilos, ela começou, ao longo da evolução, a estimular ainda mais a "visita" do parceiro a eles, tornando-os ainda mais visíveis aos homens. E, claro, quanto maior os seios, mais notáveis eles se tornam. Uma mulher mais satisfeita com o ato sexual passa a fazer mais sexo e gerar mais descendentes que passam as características vantajosas para a frente. E mais: estudos também mostram que o hormônio ocitocina, responsável pela forte ligação afetiva entre mãe e filho (specialmente durante a amamentação), é também liberado quando um parceiro estimula sexualmente os seios, contribuindo bastante para o orgasmo feminino. E quanto maior os seios, maior a tendência dos mamilos terem uma grande área, o que aumenta a superfície de prazer.  Somando a visibilidade e o prazer, os seios maiores talvez tenham sido selecionados durante a evolução, complementando os fatos expostos anteriormente no artigo.



   CONCLUSÃO

           Todas as hipóteses revistas aqui no texto focam apenas no lado científico da questão e são uma generalização, como foi alertado no primeiro parágrafo. E, claro, outras características físicas participam do jogo especulativo de sedução evolucionária, como a voz e feições faciais. Causas culturais também influenciam bastante, principalmente na parte não ocidental do mundo. Muitos trabalhos ainda estão sendo desenvolvidos sobre essa questão, e afirmações definitivas estão longe de serem decretadas. Pode ser que uma ou mais hipóteses estejam certas, onde um fator pode estar sendo somado a outro. Alguns pesquisadores acham o aspecto físico um fator decisivo nas seleções sexuais humanas, enquanto outros desprezam essa ideia por existirem muitos conflitos de resultados na literatura científica. Os próprios seios, quando menores, poderiam ser compensados com outras características diferenciais em seu formato e composição, como o aspecto do bico do seio e a cor da auréola, e isso é mostrado, por exemplo, no estudo da Ref.21.

          Aqui, na conclusão, é válido também explicar para os mais descrentes que, mesmo o processo de produção de esperma sendo muito barato entre os homens, escolher uma parceira ideal é ainda uma boa opção. O que eu quero dizer é que, teoricamente, os homens poderiam sair distribuindo seu material genético ao vento, pouco se importando com as características das fêmeas alvos. Mas, se pararmos para pensar por um segundo, vale muito mais a pena manter uma única parceira (ou, no máximo, algumas poucas) do que ficar brigando por diversas outras com outros machos, especialmente se tratando de uma espécie mais evoluída socialmente. Além disso, os bebês humanos são uma das únicas crias na natureza que são extremamente frágeis e dependentes dos pais, o que estimula uma relação mais fixa entre o casal para um melhor foco nos cuidados da prole. Mas isso não quer dizer que o pensamento em traição seja diminuído (Risos). Ainda mais se um par de generoso de seios e nádegas vier dançando pela rua...

*Sugestão de texto enviada pelo leitor Bruno Luiz.

ATUALIZAÇÃO ( 02/07/16): Um interessante artigo publicado este ano (Ref.22) mostra evidências e desenvolve um trabalho de campo mostrando que um corpo feminino mais atrativo para o homem seria aquele com uma cintura mais fina, independente da razão circunferência cintura/quadris ou da massa corporal (caso não exista obesidade e nem magreza). Estes dois últimos fatores, seriam, na verdade, consequências da circunferência da cintura. O autor do estudo não possui uma hipótese firme para explicar esse achado, mas considera duas possibilidades, as quais também já foram debatidas em alguns outros estudos:

1. De alguma forma ter uma cintura mais fina poderia facilitar o ato sexual, dependendo das condições do ambiente de fundo;

2. Ter uma cintura bem fina seria um indicativo de que a mulher, definitivamente, não está grávida, indicando ao homem que vale a pena investir seu esperma ali (Calma, feministas! Estou falando em termos de evolução natural!).

Jessica Rabbit
     Para chegar a esses resultados, o autor do trabalho analisou a preferência dos homens entre várias fotos de mulheres em uma Universidade local, Playmates (modelos da Playboy) e imaginário popular ( desenhos e imagens artísticas em geral). Neste último quesito, um dos objetos de análise mais focado foi a campeã de votos masculinos: a Jessica Rabbit, um dos símbolos sexuais mais clássicos na história recente, e personagem do filme ´Uma Cilada para Roger Rabbit´ (Who Framed Roger Rabbit, no título original). E, inegavelmente, Jessica possui uma diminuta cintura, além de ter grandes pares de generosos seios, estes os quais também corroboram outras hipóteses discutidas neste artigo. A preferência pela baixa razão entre cintura e quadris também é corroborada.


REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS
  1. http://link.springer.com/article/10.1007/s12110-998-1005-2
  2.  http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0162309587900276
  3.  http://psycnet.apa.org/journals/psp/65/2/293/
  4. http://rspb.royalsocietypublishing.org/content/271/1545/1213.short
  5. http://www.scienceofrelationships.com/home/2011/12/16/breasts-are-best-can-women-orgasm-from-nipple-stimulation.html 
  6. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17173598
  7. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22394274
  8. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0191886913013287
  9. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0191886999001154
  10. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1090513805000620
  11. http://pss.sagepub.com/content/9/2/150.short 
  12. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S109051381200044X
  13. http://link.springer.com/article/10.1007/s10508-015-0516-2
  14. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1090513802001216
  15. http://link.springer.com/article/10.1007/s10508-013-0166-1
  16. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/ajhb.20584/abstract
  17. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S109051381200044X
  18. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0191886907002711
  19. http://www.putslab.la.psu.edu/documents/Puts%202015%20Curr%20Opin%20Psychol.pdf
  20. http://evp.sagepub.com/content/14/1/1474704916631614.short 
  21. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25828990
  22. http://evp.sagepub.com/content/14/2/1474704916643459.full.pdf+html