YouTube

Artigos Recentes

Cuide bem da sua flora intestinal


     
    
               Diversas doenças aumentaram sua taxa de incidência em dezenas de vezes quando comparado com décadas atrás, e isso não é apenas devido à maior veiculação das notícias globais, e, sim, a um fato quantitativo. Asma, diabetes tipo 1( autoimune), obesidade, alergias, gripes, câncer, entre outras. Todas estas estão em alta hoje, e já fazem parte do cotidiano da população, e muitos podem justificá-las culpando a má alimentação, excesso de poluição, e um número absurdo de humanos no planeta ( algo, lógico,  que facilita a disseminação de doenças). Mas no passado diversos outros fatores eram muito piores, e,mesmo assim, a quantidade de contaminados por doenças não era tão grande, e, quando aconteciam, morriam milhares devido a uma só doença nova, como foi o caso da Peste Negra na Europa.

         No caso das diversas alergias modernas, as quais eram muito raras no passado, muitos acham que a limpeza em excesso no mundo de hoje deixam as crianças com o sistema imunológico fraco, e, por isso elas são mais suscetíveis a esses males. Alguns pais até estão deixando os filhos entrarem em um maior contato com animais e brincadeiras ´sujas´, para deixá-las expostas aos ´perigos´ infecciosos, tornando-as mais resistentes. Mas existe uma má interpretação nisso, segundo algumas pesquisas mais recentes.


Deixar as crianças brincando ao ar livre é importante, mas não previne, eficientemente,  doenças e alergias

          Uma criança dificilmente irá beneficiar-se com uma brincadeira no barro ou com seu cachorro, porque os parasitas que estão no solo já são próprios do solo, e os parasitas encontrados nos cachorros já são próprios dos cachorros, e não fizeram quase nada de muito relevante na evolução da espécie humana em si. Grande parte das doenças encontradas nos solos seriam aquelas que o sistema imune humano não consegue dar conta, e não explicam doenças como obesidade, asma, diabetes( e diversas outras autoimunes), não no nível em que elas são encontradas hoje. E outra: o sistema imune de uma criança já fica bem completo muito cedo, algo em torno de 3 anos ou menos, e só é melhorado com a ajuda de vacinas. Então o que pode estar acontecendo?


          Podemos colocar três fatos já bastante discutidos no meio médico, como causas do caos imunológico: o excesso/mau uso de antibióticos, medidas antissépticas de limpeza e a cesariana. E todas estas medidas levam a duas coisas: à origem de bactérias mais resistentes e destruição da flora bacteriana humana. O primeiro caso, de resistência bacteriana, é bem óbvio, e quando existe um mau uso de antibióticos e limpeza excessiva nos ambientes, objetivando o extermínio destas bactérias , vários delas, as quais são resistentes e eram impedidas de prosperarem pela interferência da maioria mais fraca, ficam livres para dominar o espaço e infectarem com violência as pessoas ( O que são as superbactérias e a resistência bacteriana?) . 

 
O excesso de antibióticos é um dos piores males modernos








 
            No segundo caso, e talvez o mais importante para a explicação geral das diversas doenças e alergias modernas o uso excessivo dos antibióticos acaba matando nossa flora bacteriana natural com o passar das gerações, as quais passam a não serem mais incorporadas ao organismos das futuras crianças, criando um desequilíbrio interno terrível. E neste caso, podemos acrescentar o método cada vez mais recorrente da cesariana, porque a vagina é um berço para milhares de bactérias benéficas ( Os perigos do parto por cesariana). Quando a criança é impedida de ser exposta à elas na hora do parto natural, ela deixa de receber diversas futuras bactérias que iriam compor sua flora normal. Alergias, e todas as outras doenças já citadas são assimiladas mais facilmente quando o corpo encontra-se fora da sua homeostase. Quando você ingere um antibiótico, ele não mata apenas a ´bactéria maligna´, mas todas as quais ele encontra pelo caminho. E esse é o problema. E, voltando ao início do texto, talvez as crianças de famílias mais humildes tendem a ser mais resistentes não porque elas são deixadas mais livres, como muitos pensam, mas porque elas têm menos acesso aos métodos de assepsia, caros antibióticos e cesarianas. 

              E a tendência é a situação só piorar, com a frequente e crescente facilidade de acesso aos medicamentos. Mas, de qualquer forma, permitir que as crianças brinquem ao ar livre e com elementos diversos é importante para seu desenvolvimento psicológico e espacial, mesmo que isto não interfira seriamente na sua resistência imunitária como pensa o consenso popular.

* A relação entre flora bacteriana e males modernos é ainda não é totalmente entendida pela ciência. Porém ter uma flora equilibrada ajuda de forma crucial diversos processos no corpo, principalmente os digestórios.


ATUALIZAÇÃO ( 02/10): Pesquisadores da University of British Columbia e do  Children's Hospital, em Vancouver, descobriram, depois de analisarem 314 crianças, que a ausência de quatro tipos de bactérias ( Faecalibacterium, Lachnospira, Veillonella, and Rothia)  até a idade de três meses, propicia um alto risco das mesmas em desenvolverem asma a partir dos 3 anos de idade. E a presença desses parasitas é crucial nos primeiros meses de vida, porque, de acordo com os resultados do estudo, mesmo se elas aparecem depois no bebê ( até 1 ano de idade), a proteção não era garantida. Tratamentos em ratos que não possuíam essas bactérias, mostraram que eles apresentavam menores riscos de desenvolverem inflamações nas vias aéreas quando as mesmas bactérias eram introduzidas em seus intestinos.     
     
               Agora, os pesquisadores querem introduzir um cocktail dessas bactérias nos recém-nascidos que não as possuem, para que o risco de desenvolvimento de asma caia abruptamente. Isso é para reforçar a importância de uma flora bacteriana saudável. E não despreze nossos pequenos amiguinhos. Para você ter uma ideia, as bactérias e vírus espalhados pelo nosso corpo somam um quantidade total 10 vezes maior do que a quantidade de células que formam o nosso corpo, as quais estão na ordem dos trilhões! Ou seja, elas, com certeza, influenciam, e muito, no nosso funcionamento corporal.


ATUALIZAÇÃO ( 20/07/16): Um estudo publicado esta semana na Nature mostrou que a resistência à insulina, fator que pode levar à diabetes tipo 2 e problemas cardiovasculares, parece ser afetada por bactérias específicas na flora intestinal. Prevotella copri e Bacteroides vulgatus foram duas bactérias que foram associadas com uma maior resistência à insulina em ratos. Isso abre uma incrível nova estratégia de tratamento para problemas relacionados com a insulina no corpo. E isso mostra, mais uma vez,  Ref.7

REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS
  1. http://www.scientificamerican.com/article/among-trillions-of-microbes-in-the-gut-a-few-are-special/
  2. http://www.nature.com/nm/journal/v20/n2/abs/nm.3444.html
  3. http://gut.bmj.com/content/63/4/559.short
  4. http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.4161/gmic.27905
  5. http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/cea.12332/abstract
  6. Hygiene hipothesys review
  7. http://www.nature.com/nature/journal/vaop/ncurrent/full/nature18646.html